Covid-19: Facebook repõe notícias bloqueadas como ′spam′ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 18.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Covid-19: Facebook repõe notícias bloqueadas como 'spam'

O Facebook indicou na terça-feira (17.03) à noite que todas as publicações sobre a pandemia da Covid-19, incorretamente bloqueadas e identificadas como 'spam', foram já repostas na rede social. 

Vários utilizadores do Facebook em vários países, incluindo em Timor-Leste, indicaram que a rede social estava a bloquear e a marcar como 'spam' partilhas de notícias sobre a pandemia Covid-19. 

No Twitter surgiram queixas de vários utilizadores, entre eles um epidemiologista do Canadá que viu bloqueado uma ligação para o site oficial do Governo do Canadá sobre a pandemia.

Utilizadores na Austrália, nos Estados Unidos e em Timor-Leste confirmaram bloqueios em publicações de partilhas de notícias de televisões e jornais.

Também num mensagem no Twitter, o vice-presidente de Integridade do Facebook, Guy Rosen, indicou que todas as notícias e partilhas incorretamente apagadas e bloqueadas como 'spam' tinham sido repostas. 

Antes, Rosen tinha escrito "Estamos a tratar disto. Trata-se de um 'bug' não relacionado com qualquer mudança na nossa moderação de conteúdo. Estamos a resolver o assunto e republicaremos essas publicações em breve".

O Facebook é usado em Timor-Leste para a partilha de notícias. 

Ponto de situação

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 189 mil pessoas, das quais mais de 7.800 morreram. Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 81 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 146 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Os países mais afetados depois da China são a Itália, com 2.503 mortes para 31.506 casos, o Irão, com 988 mortes (16.169 casos), a Espanha, com 491 mortes (11.178 casos) e a França com 148 mortes (6.633 casos).

 Face ao avanço da pandemia, vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Assistir ao vídeo 02:12

Covid-19: "União Europeia" suspende futebol

Leia mais