Covid-19: China perdoa cerca de 2% da dívida de Moçambique | Moçambique | DW | 19.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Covid-19: China perdoa cerca de 2% da dívida de Moçambique

Governo chinês anuncia um perdão de 32 milhões de euros da dívida que Moçambique tem com Pequim, para ajudar o país no combate à Covid-19. Além disso, a China dará um apoio adicional de 19 milhões de euros a Maputo.

O perdão parcial resulta de um acordo assinado esta sexta-feira (19.03) em Maputo pelo embaixador da China em Moçambique, Wang Hejum, e a ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, Verónica Macamo. 

"A parte chinesa dispensa obrigações da parte moçambicana em termos da amortização de três empréstimos, sem juros", declarou o embaixador chinês Wang Hejum, sem avançar mais detalhes, numa declaração à imprensa após a assinatura em que não houve espaço para perguntas.

Maputo Außenministerium

Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, em Maputo

Para a ministra moçambicana dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, "a China é um país amigo que soube estar sempre ao lado de Moçambique nos momentos difíceis e nos momentos áureos". "Por isso, este gesto da China não nos surpreende. Este país irmão foi sempre consistente no seu apoio à Moçambique", declarou.

Além do perdão parcial da dívida, as partes também assinaram um acordo prevendo que o Governo chinês desembolse 150 milhões yuans (19 milhões de euros) para projetos sociais e económicos.

Dívida com a China

Segundo os dados mais recentes, divulgados pelo ministro da Economia e Finanças moçambicano no parlamentoP em novembro, a dívida com a China ronda dois mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros), ou seja, representa cerca de 16% do total dos cerca de 12.370 milhões de dólares (cerca de 10 mil milhões de euros) da dívida pública moçambicana.

Segundo aqueles dados, uma parcela maioritária da dívida à China, num montante de 1.970 milhões de dólares (1.660 milhões de euros), é devida ao Exim Bank Chinês e foi empregue sobretudo para a construção de estradas e pontes, incluindo a via circular de Maputo, a ponte suspensa sobre a Baía de Maputo e as estradas a sul.

Várias organizações da sociedade civil têm criticado a opacidade dos contratos com a China e o Centro de Integridade Pública (CIP) publicou um estudo em outubro em que a classificou como "assustadora".

Na altura, Adriano Maleiane, ministro da Economia e Finanças, desvalorizou os receios: "Eu não tenho esse drama", referiu, considerando normal o serviço da dívida com a China e assinalando que a prioridade de Maputo tem sido recorrer a empréstimos concessionais.

Leia mais