Covid-19: Cabo Verde em condições de iniciar vacinação em todas as ilhas | Cabo Verde | DW | 18.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Covid-19: Cabo Verde em condições de iniciar vacinação em todas as ilhas

Seis profissionais de saúde já foram vacinados na Cidade da Praia, mas a campanha de vacinação arranca oficialmente esta sexta-feira com doses da Pfizer em todo o país. Governo aguarda análise à vacina da AstraZeneca.

"A prioridade é para os profissionais de saúde, depois os profissionais mais sujeitos a situações de risco. Há um plano e nós vamos seguir esse plano", afirmou o primeiro-minitros Ulisses Correia e Silva, esta quinta-feira (18.03), depois de assistir ao lançamento público deste plano de vacinação, com os seis primeiros profissionais de saúde a receberem a vacina da Pfizer, num centro de saúde da Praia.

Cabo Verde recebeu 24.000 doses da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca em 12 de março e 5.850 da Pfizer dois dias depois, com o plano de vacinação nacional a iniciar-se oficialmente em 19 de março e assumindo o Governo a meta de vacinar 70% da população até final deste ano.

"Neste momento, todas as ilhas estão em processo de receberem as vacinas. O processo iniciar-se-á em todas as ilhas amanhã [sexta-feira], com os profissionais de saúde, assim como está planeado no plano nacional de vacinação", afirmou o chefe do Governo, sublinhando que "é um grande momento, que deve ser assinalado com muita confiança".

"Vacina é vida"

A enfermeira Helga Badiane, 63 anos, tornou-se hoje a primeira pessoa vacinada contra a Covid-19 em Cabo Verde, exclamando, logo depois de inoculada, num centro de saúde da Praia, que "vacina é vida".

"Já estamos há um ano à espera deste dia. É um dia marcante para os profissionais de saúde e para todos os cabo-verdianos", afirmou a enfermeira, logo após receber a primeira dose da vacina da Pfizer, antecipando o arranque oficial da campanha de vacinação em Cabo Verde, que vai abranger, para já, os profissionais de saúde que trabalham na linha da frente do combate à pandemia.

"Para mim foi uma honra ser a primeira pessoa a ser vacinada. Aconselho toda a população a aderir à campanha de vacinação", afirmou a enfermeira, sabendo de antemão da polémica, que também tem marcado a realidade em Cabo Verde, sobre a segurança destas vacinas.

Campanha arranca sem vacinas AstraZeneca

Insistindo que "está demonstrado" que as "vacinas salvam vidas", Ulisses Correia e Silva garantiu que o processo de vacinação em Cabo Verde está a "começar bem", apesar de arrancar apenas com as doses da Pfizer.

"São vacinas da Pfizer que começaram a ser administradas e esperamos, como temos em mente, nas fases seguintes aumentar o nível de cobertura das vacinações para podermos imunizar a nossa população até finais de 2021", explicou.

Esta campanha arranca apenas com vacinas da Pfizer, enquanto são aguardados esclarecimentos sobre a segurança das da AstraZeneca. O Governo explicou anteriormente que "manda o princípio da precaução que as dúvidas levantadas sejam totalmente esclarecidas", relativamente às vacinas do fabricante anglo-sueco.

"Esperemos que relativamente às vacinas da AstraZeneca haja uma clarificação. Haverá um posicionamento da OMS amanhã [sexta-feira] e esperemos que as dúvidas que eventualmente existam possam ser dissipadas e possamos reforçar a nossa ação da vacinação aqui em Cabo Verde", disse ainda Ulisses Correia e Silva.

Assistir ao vídeo 03:23

Cabo Verde: As dificuldades dos cegos em tempos de Covid-19

Governo aguarda análise

As doses já recebidas em Cabo Verde inserem-se num total de 108 mil a fornecer pela AstraZeneca ao abrigo da Covax, iniciativa fundada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que visa garantir uma vacinação equitativa contra o novo coronavírus.

Contudo, nos últimos dias têm surgido suspeitas de alegados efeitos secundários da vacina da AstraZeneca, que levaram vários países a suspender o seu uso.

Enquanto aguarda a clarificação sobre a segurança daquela vacina, o Ministério da Saúde, em articulação com a Entidade Reguladora Independente da Saúde (ERIS), está a "acompanhar de perto o evoluir da situação", aguardando pelas "devidas recomendações" para "uma decisão devidamente ponderada e responsável antes de se iniciar com a aplicação da vacina".

Esta quarta-feira, Cabo Verde contabilizava 480 casos ativos e 15.599 doentes recuperados da doença, 158 mortos, cinco óbitos por outras causas e oito doentes transferidos para o exterior, desde o início da pandemia no país.

Assistir ao vídeo 03:55

Cabo Verde: Pandemia faz crescer entrega de refeições ao domicílio