Covid-19: Alemanha autoriza testes de vacina em humanos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 22.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Covid-19: Alemanha autoriza testes de vacina em humanos

A Alemanha deu autorização para testar em humanos uma possível vacina contra a Covid-19. Há outras vacinas a serem testadas. É, contudo, improvável que estejam disponíveis em 2020.

A Alemanha autorizou os primeiros testes em humanos de uma potencial vacina contra a Covid-19. Até agora, havia apenas quatro autorizações deste tipo em todo o mundo.

Após "avaliação cuidada", o Instituto Paul Ehrlich (PEI), entidade federal alemã de vacinas e biomedicina, anunciou esta quarta-feira (22.04) que dava luz verde ao primeiro estudo clínico na Alemanha de uma potencial vacina elaborada pela empresa de biotecnologia BioNTech.

Em comunicado, o órgão explicou que se trata de uma vacina de RNA que contém informação genética para a construção da proteína da ponta do coronavírus SARS-CoV-2 em forma de ácido ribonucleico (RNA).

Assistir ao vídeo 01:43

Covid-19: "Africanos não são ratos de laboratório"

A vacina será inicialmente testada em 200 voluntários saudáveis, com idades entre 18 e 55 anos. Numa segunda fase os ensaios vão abranger mais voluntários do mesmo grupo etário, incluindo alguns com maior risco de infeção ou de desenvolver complicações em caso de contágio.

"O teste de possíveis vacinas em pessoas é um passo importante no caminho até vacinas seguras e eficazes contra a Covid-19 para a população da Alemanha e do estrangeiro", ressaltou o instituto.

Vacina em 2020? Improvável…

Segundo o presidente do PEI, Klaus Cichutek, espera-se que quatro ensaios clínicos comecem a ser realizados na Alemanha ainda este ano.

Mas Cichutek alertou que é improvável que uma vacina aprovada para o público em geral esteja disponível em 2020. Até agora, a BioNTech trabalhou principalmente no campo da imunoterapia para o cancro.

Deutschland Corona-Pandemie | PK Spahn

Jens Spahn, ministro da Saúde alemão

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, classificou como um "salto qualitativo" o facto de a Alemanha já contar com uma vacina que permita a realização de um estudo clínico, mas frisou que a palavra "estudo" significa ter que esperar os resultados.

"Porque há uma coisa que é importante: é prioritária a segurança nos efeitos de uma vacina com essas caraterísticas", destacou o ministro.

O objetivo do estudo agora autorizado é testar diferentes variações de possíveis vacinas baseadas no RNA e determinar a sua tolerância e a capacidade de criar uma resposta imunológica ao coronavírus, e posteriormente o impacto de uma segunda vacina.

Quem está também a testar?

A BioNTech disse que está a desenvolver quatro potenciais vacinas, sob um programa chamado BNT162, em parceria com a gigante farmacêutica norte-americana Pfizer. Estão planeados testes da vacina nos Estados Unidos, assim que tenham a aprovação ao nível governamental.

A BioNTech está na corrida contra a pandemia de Covid-19 com outra alemã, a biofarmacêutica CureVac, e com outras equipas dos EUA e da China. Ao abrigo do programa BNT162, a BioNTech concedeu os direitos na China à Shanghai Fosun Pharmaceutical sob um acordo de colaboração.

A norte-americana Moderna começou em março os testes experimentais de uma potencial vacina contra o novo coronavírus.

Ainda em março, a China deu luz verde a outro ensaio clínico de um candidato a vacina desenvolvido pela Academia de Ciências Médicas Militares e pela empresa de biotecnologia CanSino Bio.

Na semana passada, a China aprovou mais duas vacinas experimentais para testes em humanos. Os responsáveis por estes testes são a Sinovac Biotech e o Instituto Wuhan de Produtos Biológicos.

Leia mais