Covid-19: África tem 7,7 mil casos e mais de 300 mortes | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Covid-19: África tem 7,7 mil casos e mais de 300 mortes

OMS lança alerta sobre aumento de casos do coronavírus, que está a "ameaçar os frágeis sistemas de saúde do continente". África do Sul ainda lidera o número de casos da doença, com 1.505 infetados. 

Soldados do Senegal vestem máscaras de proteção contra a Covid-19

Soldados do Senegal vestem máscaras de proteção contra a Covid-19

O continente africano regista 7.741 casos da Covid-19 e 313 mortes, segundo o levantamento mais recente divulgado este sábado (04.04) pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (CDC África). 

A doença afeta 50 países de África. A Argélia tem um caso a mais do que o Egito, com 986 contaminados. O país também regista 83 mortes contra 66 óbitos no Egito. A África do Sul ainda lidera o número de casos da doença, com 1.505 infetados. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) demonstrou preocupação com o aumento de casos da Covid-19 em África, assinalando que a doença está "a ameaçar os frágeis sistemas de saúde do continente".

"O número de casos está a aumentar exponencialmente na região africana", afirmou a diretora regional para África da OMS, Matshidiso Moeti. A especialista acrescentou que passaram 16 dias entre o primeiro e os cem casos na região e apenas outros dez para alcançar o primeiro milhar. 

Para conter a pandemia da Covid-19, muitos países africanos adotaram medidas de restrição e contenção da população, incluindo o encerramento total de fronteiras, a limitação das entradas no país, ou a imposição de uma quarentena obrigatória equivalente ao período máximo de incubação do vírus. Todos os países dos PALOP implementaram o estado de emergência. 

Ainda assim, países como a República Democrática do Congo, África do Sul, Burkina Faso, Camarões e Senegal verificaram casos em várias regiões do país. "Para que as medidas de restrição social sejam eficazes, devem ser acompanhadas por medidas de saúde públicas fortes, sustentadas e dirigidas que permitam localizar, testar e tratar os casos da Covid-19", afirmou Moeti. 

Quase 61 mil mortos

No mundo, já são mais de 1,1 milhões de casos da doença e 60.887 óbitos, segundo o levantamento em tempo real feito pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos da América. 

Os EUA é onde a pandemia está atualmente a progredir mais rapidamente, com 278.568 casos e mais de 7 mil mortes. A Espanha aparece em segundo, com 124.736 casos. O país que acumula mais mortes é a Itália, com 14.681. O Reino Unido registou este sábado mais de 700 óbitos num período de 24 horas, o que eleva para 4.313 o total de mortos no território. 

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, disse que vai pedir ao Parlamento a prorrogação do estado de emergência até 26 de abril, mas a medida não vai valer para setores não essenciais da economia. 

Este sábado, a China observou três minutos de "silêncio e reflexão" pela memória das mais das 3.300 pessoas que morreram devido à pandemia da Covid-19 no país. 

Leia mais