Costa do Marfim: Número de refugiados mais do que duplicou numa semana | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 10.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Costa do Marfim: Número de refugiados mais do que duplicou numa semana

É o que diz a agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Segundo levantamento divulgado esta terça-feira (10.11), mais de 8 mil pessoas já deixaram o país devido à tensão pós-eleitoral.

Rasto da violência pós-eleitoral na Costa do Marfim

Rasto da violência pós-eleitoral na Costa do Marfim

"Mais de 8.000 refugiados marfinenses fugiram para países vizinhos num contexto de tensões políticas na Costa do Marfim", disse hoje a agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), em comparação com as 3.200 pessoas registadas na avaliação da semana passada.

De acordo com o ACNUR, até segunda-feira, mais de 7.500 marfinenses tinham fugido para a Libéria, na fronteira sudoeste da Costa do Marfim, que se tornou no principal destino destes refugiados. 

"Mais de 60% dos que chegam são crianças, algumas das quais sozinhas ou separadas dos pais", acrescentou a agência da Organização das Nações Unidas, relatando também a chegada de "pessoas idosas e mulheres grávidas.

Eleições tensas na Costa do Marfim

Apoio aos refugiados

Para apoiar estas populações, o ACNUR anunciou o envio para a Libéria de alimentos e apoio "para até 10.000 refugiados". "Mais de 500 marfinenses também chegaram ao Gana, Guiné-Conacri e Togo, onde estão a receber assistência imediata", acrescentou.

A segunda-feira foi marcada novamente por violência no centro da Costa do Marfim, deixando nove pessoas mortas, num dia de mobilização convocado pela oposição.

Cerca de 50 pessoas morreram já em violência relacionada com as eleições presidenciais de 31 de outubro desde o anúncio, em agosto, da candidatura do Presidente cessante Alassane Ouattara para um terceiro mandato considerado inconstitucional pela oposição.

Terceiro mandato

O Conselho Constitucional validou na segunda-feira a reeleição de Ouattara, que nesse mesmo dia apelou para o "diálogo" com o líder da oposição, o ex-presidente e também candidato presidencial Henri Konan Bédié, para pôr fim à crise política.

A oposição não reconhece a reeleição do Ouattara e anunciou a criação do Conselho de Transição, o que levou à detenção de vários opositores. Henri Konan Bédié está retido na sua casa e impedido de sair pelas forças de segurança.

Os receios de uma escalada da violência permanecem no país, 10 anos após a crise pós-eleitoral de 2010-2011 que deixou 3.000 mortos, 300.000 refugiados e 1 milhão de pessoas deslocadas internamente, segundo o ACNUR.

Leia mais