Costa do Marfim elege novo Parlamento no sábado | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 05.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Costa do Marfim elege novo Parlamento no sábado

As eleições legislativas deste sábado (06.03) na Costa do Marfim são uma oportunidade para a oposição tentar recuperar o poder. O resultado poderá decidir o futuro dos partidos no país, dizem especialistas.

A lista é grande: há mais de 1.500 candidatos aos 255 lugares na Assembleia Nacional

A lista é grande: há mais de 1.500 candidatos aos 255 lugares na Assembleia Nacional

A Costa do Marfim realiza amanhã eleições parlamentares, quatro meses depois das contestadas eleições presidenciais. Mas desta vez a campanha eleitoral, que já terminou na quarta-feira (03.02), decorreu sem incidentes, com a participação da oposição e apelos de todos os partidos para um escrutínio pacífico. Nas presidenciais de outubro, que ficaram marcadas pela violência, os partidos da oposição boicotaram o pleito. 

Agora, pela primeira vez numa década, quase todos os partidos da oposição participam no processo eleitoral, em particular a Frente Popular da Costa do Marfim do antigo Presidente Laurent Gbagbo e principal partido da coligação "Juntos pela Democracia e Soberania" (EDS), liderado pelo médico Georges Armand Ouegnin. A coligação estabeleceu uma aliança com o Partido Democrático da Costa do Marfim, liderado pelo ex-Presidente Henri Konan Bedie.

Elfenbeinküste Abidjan | Wahlen | Präsident Alassane Ouattara

Atual Presidente Alassane Ouattara

À DW, Thilo Schöne, da Fundação Friedrich Ebert, com sede em Abidjan, diz que mesmo com a coligação dos chamados "pesos pesados" da política, os ex-presidentes contra o atual chefe de Estado, Alassane Ouattara, deverá registar-se uma alta taxa de abstenção.

"Há receios de ir às urnas depois do que aconteceu no ano passado. Bédié e Gbagbo protestaram contra a reeleição em outubro de 2020 do Presidente Alassane Ouattara, que se tinha candidatado a um terceiro mandato, o que gerou controvérsia, e a oposição apelou à desobediência civil", recorda.

Os dois ex-Presidentes, que apelaram à "desobediência civil" e boicotaram as últimas eleições presidenciais, ainda não reconheceram a reeleição de Ouattara para um terceiro mandato, mas agora querem contrabalançar o seu poder na Assembleia Nacional.

Estabilidade política

Graças à participação da oposição, estas eleições legislativas estão a ser apresentadas como livres e representativas de um regresso à estabilidade política, após a violência ligada às eleições presidenciais de 31 de outubro, que deixaram 87 mortos e cerca de 500 feridos, refere Florian Karner, da Fundação Konrad Adenauer, em Abidjan.

"Agora tudo está mais calmo no país, tudo porque dois dos principais atores, ou seja, o antigo Presidente da República, Henri Konan Bédie, e o atual chefe de Estado, Alassane Ouattara, dialogaram muito ultimamente. Então, conseguiram baixar a tensão no país e há um campo de diálogo entre os atores políticos e isso é positivo", sublinha.

Elfenbeinküste | Präsidentenwahl | Zusammenstöße zwischen Demonstranten und Polizei

Presidenciais de outubro foram manchadas pela violência

A eleição conta ainda com vários candidatos independentes que poderão desempenhar um papel importante na Assembleia Nacional no caso de um resultado próximo entre o partido no poder e a oposição, diz ainda Florian Karner.

"O que acho muito bom e interessante é o facto de termos vozes independentes a tentar chegar ao Parlamento. Mesmo com as intimidações haverá uma mudança geracional. Esse grupo candidatou-se para fazer perguntas desagradáveis, porque quer fazer parte do sistema governamental sem qualquer tipo de medo. Há também uma ou duas mulheres muito fortes que estão a fazer a diferença", salienta.

Regresso de Laurent Gbagbo

Um dos opositores mais referenciados ultimamente é Laurent Gbagbo. O anitgo Pesidente vive exilado em Bruxelas desde a sua absolvição em primeira instância pelo  Tribunal Penal Internacional (TPI) de crimes contra a humanidade, mas o Presidente Ouattara declarou-se a favor do seu regresso, em nome da reconciliação nacional. O regresso foi anunciado para meados de março pelos seus apoiantes.

Para o pleito deste sábado, mais de 1.500 candidatos disputam o voto de cerca de sete milhões de eleitores em 205 círculos eleitorais, que elegerão 255 deputados.

Numa tentativa de pôr fim à violência eleitoral que marcou a história recente da Costa do Marfim, todos os participantes nas eleições legislativas votaram a favor de uma eleição pacífica e assinaram um código de boa conduta.

Leia mais