Congo: Risco de contaminação do vírus ébola é agora “muito alto”, diz OMS | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 29.09.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Congo: Risco de contaminação do vírus ébola é agora “muito alto”, diz OMS

Recentemente, foram descobertos dois casos confirmados de ébola numa cidade perto da fronteira com o Uganda. Ataque em Beni leva à suspensão dos trabalhos de contenção do surto durante dois dias.

O risco do surto de ébola, que atinge a República Democrática do Congo, poder alastrar-se aos países vizinhos é agora de "muito alto", alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS), depois de dois casos confirmados terem sido descoberto perto da fronteira com o Uganda.

A epidemia de febre hemorrágica, no leste do Congo, é já considerada mais grave do que o surto que atingiu o noroeste  do país, pois para além de ser mais complicada de conter por causa da população ser densa e estar em movimento, está numa região de conflito, com grupos rebeldes ativos.

Contaminação

Um ataque do grupo armado rebelde Frente Democrática Aliada, que vitimou mortalmente uma pessoa na noite de segunda-feira (24.09), no Beni, onde estão localizados os centros de tratamentos especiais da doença, forçou à suspensão dos trabalhos durante dois dias.

Segundo o chefe de emergências da OMS, Peter Salama, a insegurança, juntamente com a resistência da população à vacinação e as tensões entre políticos até às eleições, em dezembro, pode criar a "tempestade perfeita" para o surto se espalhar.

O vírus chegou perto da fronteira com o Uganda quando uma mulher, que iria participar no funeral de vítimas do ébola, se recusou a ser vacinada em Beni, e depois desapareceu.  Morreu a 20 de setembro num hospital em Tshomia, perto do Lago Alberto, que separa os dois países. O segundo caso confirmado em Tshomia foi o do parceiro desta mulher, disse a OMS.

"Embora tenham sido feitos progressos substanciais, a situação é precária ", deu conta a organização de saúde da ONU.

O surto de ébola no nordeste da RDC já causou 71 mortes, em 124 casos. Trata-se do segundo surto de ébola na RDC num ano, depois do declarado na província de Equador, e o mais letal da última década no país, onde a doença é endémica.

Até ao momento, o Ministério da RDC, com ajuda da Organização Mundial da Saúde vacinou já 10.944 pessoas.

Leia mais