Como será o megainvestimento do Google em África | NOTÍCIAS | DW | 22.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Como será o megainvestimento do Google em África

Google anuncia que dará prioridade à melhoria da conexão à internet e ao apoio a empresas inovadoras em fase de arranque. Poderá o investimento do Google em África beneficiar todo o continente a longo prazo?

O CEO do Google, Sundar Pichai, anunciou recentemente um investimento de mil milhões de dólares [888 milhões de euros] em África. O investimento maciço terá duração superior a cinco anos e abrangerá uma série de iniciativas. Nigéria, Quénia, Uganda e Gana serão os principais beneficiários.

O Google dará prioridade à melhoria da conexão à internet e ao apoio a empresas inovadoras em fase de arranque.

O anúncio chega quando o investimento direto estrangeiro (IDE) diminui a nível mundial. No entanto, para o economista de desenvolvimento Shuiabu Idris, a notícia significa que África está agora a ser levada a sério pelas empresas multinacionais.

"Um gigante global como o Google a pensar em África e a querer investir em África é algo que é gratificante saber", disse Idris à DW.

O risco à propriedade

Mas nem todos partilham do entusiasmo da Idris. Maximus Ametorgoh, um especialista em Tecnologia da Informação (TI) ganês, apelou a uma avaliação crítica do empreendimento do Google em África.

"Temos de medir as vantagens e desvantagens", disse Amertogoh à DW. "Alguns destes gigantes da tecnologia vem, investem em pequenas empresas e acabam por adquirir essas empresas", pondera.

Também avisou que os gigantes da tecnologia "matam" as pequenas empresas ao serem donos de todos os códigos, depois de pagarem aos inovadores. "A África regressa então à mesma terra agrícola", disse Amertogoh.

BG Konzerne mit den höchsten Profiten 2020 | Alphabet |Sundar Pichai

Sundar Pichai quer que a empresa invista na Nigéria, Quénia, Gana e Uganda

O perito em tecnologia salientou que as propostas do Google não são o problema, mas sim a necessidade de avaliar o impacto duradouro do investimento. "Para mim, a propriedade é muito importante. Seja qual for o negócio em que o [Google] vai investir. A longo prazo, vai ser propriedade dos africanos, dos fundadores ou do Google?"

Amertogoh questiona-se se a Google estabeleceu prazo para deixar as pequenas empresas traçarem o seu próprio caminho. "Ou será que vão absorvê-las no seu ecossistema? E depois de perder, África torna-se apenas um ventre para a criação de ideias e valores. Acaba por perdê-los para um gigante tecnológico maior, e depois o continente é deixado para recomeçar tudo de novo".

IDE é melhor para África?

Embora distinguindo entre IDE e ajuda externa, o analista político Ako John Ako argumenta que enquanto ambos são necessários para o crescimento, o primeiro é melhor para África. "Estamos [interessados] no número de empregos que uma empresa vai gerar."

Há mais assistência no IDE do que ajuda externa no sentido de que estamos mais endividados com a ajuda externa, mas com o IDE, os africanos irão beneficiar", disse John Ako à DW.

Idris discorda. Fazendo uma analogia entre a Europa após a Segunda Guerra Mundial e os investimentos do continente para a ajudar a voltar ao bom caminho, o economista diz  que são necessárias medidas iguais de IDE e ajuda externa para África, especialmente dada a sua infeliz história com o Ocidente.

"Até recentemente, países europeus como a Grécia, Itália e outros eram fracos economicamente. Mas, tecnicamente, a ajuda e o IDE fizeram com que a Europa estivesse onde está hoje. Portanto, não há provavelmente melhor altura do que agora para a África ter um investimento direto maciço, bem como uma ajuda maciça", disse Idris.

"De facto, a África merece isso, particularmente dadas as consequências do colonialismo e do comércio de escravos que assolaram o continente nos últimos dois séculos", acrescenta.

Africa on the Move Osine und Anesi Ikhianosime

Um dos objetivos da empresa é melhorar a conexão à internet em países como a Nigéria (foto)

As prioridades de investimento do Google

A prioridade do investimento do Google incluirá a conectividade e o investimento em startups. Mas John Ako argumenta que essas prioridades deveriam consistir em investir em infraestruturas de TI.

"Se precisamos de atrair tais investimentos, uma das coisas é tornarmo-nos mais alfabetizados em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC)". Precisamos de tais escolas. Imagine que temos apenas uma universidade de TIC nos Camarões. Muitos países africanos nem sequer têm uma", lembra.

Especialistas como Idris pensam que as prioridades de investimento para o continente deveriam ser a agricultura e a mineração - áreas em que o continente tem uma vantagem competitiva.

"Não se trata apenas de produzir as simples mercadorias e exportá-las em bruto. Deve haver investimento em toda a cadeia de valor da agricultura - desde a produção ao armazenamento, processamento, bem como a exportação. Estas são as áreas prioritárias que eu acredito sinceramente que África exige", acrescentou Idris.

Desafios existentes

Para além de lidar com a diversidade de opiniões, os desafios existentes impedem o investimento da Google em alcançar o tão desejado impacto. Problemas endémicos tais como instabilidade política e macroeconómica, corrupção, más infraestruturas, má governação, são desafios que o gigante tecnológico terá de superar.

Mas Idris pensa que a corrupção não deve ser uma barreira, uma vez que existem estratégias para combatê-la. "Em termos de recursos humanos, muitos países africanos tem jovens talentosos. Uma vez contratados, treinados e pagos adequadamente, os aspectos significativos das práticas corruptas serão eliminados", afirmou.

De acordo com Amertogoh, o maior desafio tem pouco a ver com os problemas de África, mas mais com a estrutura desigual do sistema global.

Assistir ao vídeo 02:17

Aplicação camaronesa quer ser o WhatsApp de África

"Google é o maior motor de busca do mundo. Eles são proprietários do YouTube, que é também o segundo maior", disse Amertogoh. Para ele, isto significa um grande problema quanto ao controlo que o Google terá sobre as estruturas existentes.

"A minha preocupação é saber por quanto tempo isso vai acontecer, e eles querem também baixar os preços da Internet em 21% na Nigéria e noutros lugares onde precisam de envolvimento com os decisores políticos, para tornar esta ideia viável e sustentável", disse o analista técnico à DW.

Impacto para África

Enquanto o anúncio feito pelo Google criou um certo debate em alguns países africanos, o gigante do Vale do Silício está a concentrar-se apenas em quatro dos 54 países do continente. Como resultado, Amertogoh disse que a probabilidade de um impacto significativo no continente como um todo é escassa.

"Se não der uma vantagem de maior equilíbrio a África ou aos quatro países que estão a considerar, não vejo como é que isto vai mudar substancialmente alguma coisa em África", reflete.

De uma perspetiva económica e bancária de investimento, existe a possibilidade de um enorme impacto, dada a dimensão de alguns países, tais como a Nigéria, disse Idris. "Se chegarmos à Nigéria, por exemplo, temos 210 milhões de pessoas. Destes 210 milhões, 60% têm menos de 30 anos de idade. Portanto, quando se investe na Nigéria, é como se se estivesse a investir nos 16 países membros da CEDEAO", Idris lobbied.

Em 2020, o Google, também conhecido como Alphabet, tornou-se a terceira empresa americana a atravessar a marca dos $1 trilião de dólares em valor de mercado. Daí que John Ako tenha insistido que são os lucros, antes de mais nada, que impulsionam o gigante da tecnologia. "Na maioria das vezes, eles vão para lugares onde sabem que os benefícios virão", disse o analista político.

Assistir ao vídeo 03:17

Nigéria: Estudantes desenvolvem aplicação móvel para diminuir espera nos hospitais

Leia mais