Coligação CPO concorre às eleições angolanas em defesa dos professores | Angola | DW | 09.08.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Coligação CPO concorre às eleições angolanas em defesa dos professores

Outro partido político concorrente às eleições angolanas de 31 de agosto é o CPO, o Conselho Político da Oposição. Composto por partidos menores e menos conhecidos, defende principalmente a classe dos professores.

O angolano Conselho Político da Oposição é a mais antiga coligação política que atualmente luta por lugares no parlamento angolano. O CPO, sigla pela qual a coligação é conhecida, afirma que a sua aposta reside numa sociedade democrática.

O Conselho, composto por cinco partidos angolanos menos conhecidos, quer fazer a diferença nas eleições de 31 de agosto, embora nos centros urbanos, a sua campanha política não é tão conhecida.

De todas as coligações que avançam para estas eleições, esta é a mais antiga. Existe há cinco anos. O líder Anastácio João Finda diz que a social-democracia é o que o anima: "Felizmente temos uma coligação com várias tendências".

"Não aguentaram a pedalada"

Grande parte dos membros do CPO são desconhecidos na política angolana. Mas ainda assim, a campanha destaca principalmente a questão dos professores. Uma espécie de "coligação política dos professores."

O espaço de antena do Conselho Político da Oposição, reservado para expor os planos dos partidos concorrentes às eleições, é preenchido com apelos da classe dos professores, na sociedade angolana, à uma vida melhor.

O CPO integrava, há quatro anos, mais de 50 partidos, pequenos e alguns satélites. Atualmente são apenas cinco. Em entrevista a DW África, Anastácio João Finda justifica porque a maioria dos pequenos partidos desistiu da coligação.

"Em 2008, a coligação apresentou uma candidatura no Tribunal Constitucional, mas não foi aprovada. Reavaliamos então a estratégia, identificamos os erros e fomos trabalhando. Ao longo do caminho, houve grupos que não aguentaram a pedalada."

Conselho Político da Oposição é a coligação partidária mais antiga de Angola

Conselho Político da Oposição é a coligação partidária mais antiga de Angola

"Angola é um país democrático"

Anastácio João Finda, candidato à presidência da República em Angola, é o mais novo de todos os líderes partidários na corrida eleitoral. O professor de 47 anos é licenciado em Ciências da Educação e atualmente está a estudar Direito.

Se vencer as eleições no final do mês, o CPO quer olhar para uma Angola nova e lutar pela dignidade dos angolanos, esclareceu Anastácio Finda. "Angola é um país democrático. Cada um de nós deve saber estar nesse país." Ele diz ainda que é natural que não seja possível cumprir a democracia em 100%. "Mas que é possível, isso é", finaliza.

Autor: Manuel Vieira (de Luanda, Angola)
Edição: Bettina Riffel / António Rocha

Ouvir o áudio 02:49

Coligação CPO concorre às eleições angolanas em defesa dos professores

Leia mais