Coligação angolana CASA-CE quer autárquicas em todo o país | Angola | DW | 03.04.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Coligação angolana CASA-CE quer autárquicas em todo o país

No dia em que celebra seis anos, a Convergência Ampla de Salvação de Angola Coligação Eleitoral diz-se pronta para as eleições autárquicas, que devem realizar-se o "mais rapidamente possível" em todo o país.

Abel Chivukuvuku, líder da CASA-CE

Abel Chivukuvuku, líder da CASA-CE

Em dia de aniversário, a realização das primeiras eleições autárquicas em Angola, apontadas para 2020, mas com o Governo angolano a admitir tratar-se de um processo a implementar de forma faseada em todo o país, é alvo das críticas da CASA-CE.

O secretário executivo nacional da segunda força da oposição em Angola, Leonel Gomes, garante que a coligação está pronta e quer as eleições autárquicas o "mais rapidamente possível", mas que "englobem todo o território nacional", como forma de cumprir os "pressupostos constitucionais".

Após a coligação ter apontado o objetivo de chegar ao poder nas eleições gerais de agosto, onde garantiu apenas 9,5% dos votos, Leonel Gomes afasta um cenário de desmobilização entre os militantes e assume que o período é de "definir novas estratégias" com vista às eleições autárquicas, antes das eleições gerais de 2022.

"Esse furor vai estar de novo a terreiro, para fazer a quarta volta ao país no decurso de apenas seis anos. E os outros que têm 60 anos quase que não conhecem o país até agora", concluiu o secretário executivo nacional da CASA-CE.

Transformação em partido

A coligação é atualmente constituída pelos quatro partidos políticos fundadores, casos do Partido de Aliança Livre de Maioria Angolana (PALMA), Partido Nacional de Salvação de Angola (PNSA), Partido Pacífico Angolano (PPA) e o PAADA - Aliança Patriótica, aos quais se juntou, em 2017, o Bloco Democrático.

Assistir ao vídeo 00:51

Abel Chivukuvuku ataca MPLA durante comício, em Benguela

Seis anos depois da sua constituição, os militantes da CASA-CE ainda analisam a possibilidade da sua transformação em partido político - assunto que continua a não ser consensual. As divergências sobre a transformação em partido foram admitidas esta terça-feira (03.04) pelo secretário executivo nacional.

"Há os que pensam que o momento ainda não é adequado para partimos para a transformação, há outros que pensam que sim, que devia ser de imediato. A abordagem entre nós continua, é saudável", explicou Leonel Gomes, recordando que na sua génese, a CASA-CE  prevê o "compromisso" dessa transformação.

A transformação da CASA-CE, liderada por Abel Chivukuvuku, em partido político foi indeferida em janeiro de 2017, pelo Tribunal Constitucional, "por não existir consentimento para a respetiva fusão e dissolução" por três dos quatro partidos coligados desde 2012. A informação constava do despacho de indeferimento do pedido, apresentado pela CASA-CE, segunda maior força da oposição angolana, a 23 de outubro de 2016, documento que referia que três dos partidos enviaram mesmo ao Tribunal Constitucional, quando o processo já estava em tramitação, "cartas separadas" recusando a extinção.

A CASA-CE é uma coligação de partidos independentes, que surgiu em 2012, mesmo ano em que concorreu às eleições gerais de Angola, tendo logo nesse mandato garantido a eleição de oito dos 220 deputados à Assembleia Nacional, que duplicou, para 16, nas eleições gerais de agosto passado.

"Permitam-me a comparação. Num lar onde os filhos não abordam os problemas com os pais e os pais não conversam com os filhos, este lar só tem duas naturezas: ou não existe ou é ditatorial. E nós partimos para a premissa fundamental de que queríamos, queremos e vamos continuar a lutar para que Angola seja um verdadeiro Estado democrático", apontou Leonel Gomes.

Leia mais