Clubes sem dinheiro fora do Moçambola? | NOTÍCIAS | DW | 19.09.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Clubes sem dinheiro fora do Moçambola?

Liga Moçambicana de Futebol quer reformular o campeonato nacional para tornar a competição mais sustentável e evitar dívidas. Mas novo modelo pode afastar clubes mais fracos em termos financeiros.

Os gestores da Liga Moçambicana de Futebol estão a traçar o novo figurino do campeonato nacional de futebol, Moçambola 2019, para evitar uma possível paragem por falta de fundos.

Quatro modelos menos dispendiosos foram apresentados. Um deles, o mais barato de todos, deverá custar o equivalente a 600 mil euros. O atual modelo custa aproximadamente um milhão e duzentos mil euros.

"O quarto modelo compreende a realização de uma prova de todos contra todos nos respetivos grupos, apurando-se os primeiros dois classificados de cada, totalizando quatro que irão disputar a fase final em duas voltas para se apurar o campeão nacional", explica Ananias Couane, presidente da Liga Moçambicana de Futebol.

"É um figurino possível, porque a Liga não se irá endividar", considera.

Mas este modelo, dizem os desportistas, vai baixar a qualidade do futebol nacional. Mais do que isso, significa a exclusão de alguns clubes da competição, por falta de dinheiro. O novo modelo, dividido em dois grupos, de acordo com a localização geográfica, obrigará os clubes a arcar com despesas de transporte, alojamento e alimentação, entre outras.

Ouvir o áudio 02:40

Clubes sem dinheiro fora do Moçambola?

"Passaríamos a ter um campeonato com equipas que têm dinheiro, que são só seis ou sete, porque não há mais", diz o treinador de futebol Arnaldo Salvado. "Quem conhece os clubes em Moçambique [sabe que] quase todos estão falidos, por isso eles aparecem e desaparecem".

"Exclusão positiva"

Seja qual for o modelo a adotar, os desportistas não querem que o Moçambola pare. Por isso, Miguel Vaz, comentador desportivo, entende que se o campeonato tiver de ser disputado por clubes financeiramente saudáveis, que assim seja.

"Acho que o Moçambola é uma prova de exclusão positiva. Não é para quem quer, é para quem pode", afirma o comentador. "Se o Moçambola tiver que começar com seis clubes, que comece. Acho que é ridículo que seja a Liga [Moçambicana de Futebol] a ter que ir marcar passagem para o clube poder viajar. Se não sabem fazer isso, não podem participar numa prova".

A ideia da Liga Moçambicana de Futebol - e também dos críticos de futebol - é, de facto, participarem na prova apenas os clubes com capacidade financeira. Ilídio Banze, comentador, concorda: "Se continuarmos numa prova a custo zero para os clubes, vai continuar, na minha opinião, a ser inviável para a conjuntura macroeconómica do país. Se os clubes continuam a viajar, a comer e a dormir de borla enquanto jogam no Moçambola, sinceramente não vamos a lado nenhum".

Por seu turno, os clubes, pelo menos os de Maputo, defendem como alternativa o regresso do modelo de disputa do Moçambola em regiões para poupar dinheiro.

Leia mais