Classe política mergulhou Guiné-Bissau na ″instabilidade″, diz líder do parlamento | Guiné-Bissau | DW | 23.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Classe política mergulhou Guiné-Bissau na "instabilidade", diz líder do parlamento

O líder do parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, defende que a classe política "mergulhou o país na instabilidade constante e conflitos", o que impossibilita a realização dos anseios da população.

O presidente da Assembleia Nacional Popular (parlamento) fez este pronunciamento numa mensagem dirigida aos guineenses, em véspera do dia em que se celebra o 48.º aniversário da proclamação da independência nacional.

"Não soubemos, enquanto legítimos representantes do povo guineense, congregar toda a nação à volta dos ideais que serviram de mote à proclamação da independência nacional. Perante este quadro assombroso em que nos encontramos, impõe que trabalhemos todos juntos, superando as nossas clivagens políticas e diferenças pessoais, em prol da realização do bem comum", disse esta quinta-feira (23.09) Cipriano Cassamá.

O dirigente lamentou que o país esteja a celebrar a data da independência num momento em que ocorrem várias greves de funcionários públicos que reclamam salários em atraso e melhorias de condições de trabalho.

Para Cipriano Cassamá, os desígnios da independência não foram atingidos até agora.

Guinea-Bissau Assembleia Nacional Popular Parlament

Assembleia Nacional Popular, Bissau

"Este dia é celebrado numa altura em que o país está mergulhado numa profunda crise social, com ondas sucessivas de greves em toda a administração pública guineense, e cujo abandono do serviço por parte dos técnicos de saúde constitui o seu epicentro", apontou Cassamá.

É preciso "gerir melhor a coisa pública"

O presidente do parlamento guineense exortou a classe política a proceder a "uma inflexão do rumo", no relacionamento com a população e ainda a "gerir melhor a coisa pública".

Cipriano Cassamá convidou a classe política a admitir que "o percurso coletivo foi manchado" devido aos sobressaltos ocorridos no país da independência a esta parte, o que colocou em causa as conquistas dos combatentes pela liberdade da pátria.

Cassamá disse ser fundamental uma reflexão “sobre o papel do representante face ao representado".

"Pedimos ao povo que confiasse em nós a sua representação, mas imediatamente à nossa eleição esquecemos o nosso papel de o representar condignamente", observou o líder do parlamento guineense.

Assistir ao vídeo 04:01

Aristides Gomes em exclusivo à DW: Ex-PM guineense denuncia rotura na democracia

Leia mais