Cimeira do clima convocada pelos EUA reúne dirigentes mundiais | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 22.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Cimeira do clima convocada pelos EUA reúne dirigentes mundiais

Mais de 40 líderes mundiais reúnem-se virtualmente a partir desta quinta-feira e durante dois dias para discutir o aquecimento global, numa cimeira convocada pelo Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Quando se comemora o Dia da Terra, o Presidente norte-americano, Joe Biden, abre a cimeira, em que pretende sublinhar a necessidade urgente de as principais economias mundiais reforçarem a sua ambição climática até à próxima cimeira da ONU sobre alterações climáticas (COP26), marcada para Glasgow no final do ano.

Na cimeira de Paris, em 2015, os países do mundo comprometeram-se em manter o aquecimento global abaixo dos dois graus celsius (ºC), preferencialmente 1,5ºC, em relação à época pré-industrial. Para isso têm de apresentar, e rever, as suas contribuições para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

No evento, os Estados Unidos vão anunciar que percentagem de emissões de gases querem reduzir até 2030. As contribuições nacionalmente determinadas são os valores de redução de gases que cada país anuncia. Deviam ter sido atualizadas no ano passado, mas o processo atrasou-se devido à pandemia de covid-19. A União Europeia anunciou em dezembro passado que ia reduzir 55% das emissões até 2030, em comparação com valores de 1990.

Também se irá discutir a necessidade urgente de aumentar o financiamento climático, ou os desafios de adaptação às alterações climáticas, especialmente dos países mais vulneráveis (o ministro português intervém neste painel), a recuperação verde e as soluções baseadas na natureza, ou os desafios da segurança global.

Regresso ao Acordo de Paris

Os Estados Unidos afastaram-se do Acordo de Paris e das preocupações em relação ao aquecimento global durante a administração de Donald Trump mas o atual Presidente, Joe Biden, anunciou o regresso ao acordo global sobre o clima no primeiro dia no cargo.

Joe Biden convidou para a cimeira os líderes dos 17 países responsáveis por cerca de 80% das emissões globais de gases com efeito de estufa e do PIB mundial, países que demonstraram uma "forte liderança climática" e países especialmente vulneráveis às alterações climáticas. Além da União Europeia foram convidados os presidentes da China, Índia, Canadá, Rússia, Brasil, Reino Unido, Alemanha ou África do Sul, entre muitos outros. O secretário-geral da ONU, António Guterres, e Papa Francisco também serão oradores.

Assistir ao vídeo 01:57

Protestos pelo clima em meio à pandemia da Covid-19

A cimeira dura dois dias e é transmitida em direto, com o dia de hoje a coincidir com o Dia da Terra, que tem precisamente como objetivo consciencializar as pessoas para os problemas ambientais do planeta.

Foi criado pelo senador norte-americano Gaylord Nelson, a 22 de abril de 1970. Teve a adesão na altura de milhares de estabelecimentos de ensino dos Estados Unidos, que já alertavam para os problemas ambientais.

 Em 2009, a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou o dia 22 de abril como o Dia Internacional da Mãe Terra. O dia reconhece a Terra e seus ecossistemas como o lar comum da humanidade e a necessidade de o proteger.

Grupo Climáximo critica inutilidade das cimeiras

As cimeiras do clima gastam mais recursos e energia em marketing e estratégias de comunicação do que na criação de políticas públicas, denuncia o grupo de ativistas Climáximo, que defende a urgência do combate às alterações climáticas. A propósito da cimeira sobre o clima que hoje começa, o grupo salienta num comunicado que depois de 26 conferências da ONU, dezenas de cimeiras do G-8, G-7 e G-20, e muitas conferências internacionais, "as emissões de gases com efeito de estufa continuam a aumentar".

Para o Climáximo, ainda que todos estes eventos diplomáticos sejam quase sempre em tom de celebração de vitória, a verdade é que não resultam em avanços na ação climática. O coletivo pela justiça climática "sublinha que as políticas climáticas até agora apenas serviram para criar oportunidades de lucro para as mesmas empresas que lucraram com os combustíveis fósseis", afirma no comunicado, acrescentando que essa falta de criação real de políticas públicas não é uma falha no sistema, é antes "a maneira como o sistema funciona".

Considerando que Joe Biden convidou 40 países para a cimeira, as maiores economias, mas também países que mostram forte liderança climática ou que já sofrem os efeitos do aquecimento global, o Climáximo pergunta porque não foram convidados Moçambique ou Kiribati, que já estão a ser devastados pela crise climática, ou o que fazem na lista países como a Polónia, Arábia Saudita, Turquia ou Emirados Árabes Unidos.

Depois, alerta ainda o Climáximo, nestas cimeiras os políticos gostam de fazer compromissos para tempos que não os impliquem. É por isso que, diz o coletivo, em vez de falarem sobre o que vão fazer em 2021 ou 2022 falam sobre 2030, "quando dificilmente estarão no poder", ou sobre 2050, "quando provavelmente muitos já não estarão vivos". O coletivo pergunta se existe alguma meta real, quantificável que vá entrar em efeito no curto prazo, e dá a resposta: "não".

Leia mais