Cimeira da SADC saúda progressos na RDC rumo às eleições | Angola | DW | 25.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Cimeira da SADC saúda progressos na RDC rumo às eleições

Reunidos em Luanda, líderes da África Austral apelaram à manutenção de um "ambiente propício" à realização das eleições de 23 de dezembro na República Democrática do Congo. Presidenciais já foram adiadas duas vezes.

A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) assinalou esta terça-feira (24.04) o "progresso significativo" na República Democrática do Congo (RDC) rumo às eleições. Numa cimeira extraordinária na capital angolana, os chefes de Estado e de Governo da África Austral saudaram Executivo liderado por Joseph Kabila, presente no encontro, os intervenientes políticos e a Comissão Eleitoral pelo progresso feito desde 2016.

A RDC tem sido palco de instabilidade face à recusa do Presidente Kabila de abandonar o cargo que ocupa desde 2001. As manifestações da oposição e da comunidade católica são frequentes e quase sempre reprimidas pelas autoridades. Dezenas de pessoas morreram em protestos pela saída do chefe de Estado, na sua maioria, abatidas pelas forças de segurança.

Esta terça-feira (24.04), no entanto, foi dia de manifestação pacífica: um comício da oposição na capital, Kinshasa, o primeiro autorizado pelo Governo em quase dois anos, para marcar o 28º aniversário da política multi-partidária no país.

Ouvir o áudio 03:14
Ao vivo agora
03:14 min

Cimeira da SADC saúda progressos na RDC rumo às eleições

Os comícios da oposição são proibidos desde setembro de 2016. "A autorização do protesto não é uma prenda, é uma consequência da nossa luta. Saudamos a contenção da polícia. Terão de aprender a olhar-nos como concidadãos e não como adversários", afirmou Félix Tshisekedi, presidente da União para a Democracia e Progresso Social (UDPS).

Joseph Kabila deveria ter abandonado a Presidência no final de 2016, depois de atingir o limite constitucional de dois mandatos, mas deverá manter-se no poder até janeiro de 2019, a data prevista para a transição do poder, após as eleições.

Tshisekedi desmente rumores

Félix Tshisekedi é uma das duas figuras apontadas à corrida presidencial, ao lado do empresário no exílio Moise Katumbi. Esta terça-feira, Tshisekedi afastou rumores de um acordo com o chefe de Estado para ocupar o cargo de primeiro-ministro - uma oferta que Kabila fez aos seus opositores no passado. "Não se deixem distrair, deixem-nos com as suas distrações. Nós temos de nos preparar e vocês têm de se preparar para me levarem a vencer as eleições", declarou.

No comício invulgarmente pacífico da oposição, os apoiantes da UDPS apelaram à mudança no país. "Tem de haver uma eleição e temos de respeitar as regras do jogo. Caso contrário, as pessoas continuarão a pressionar o atual Presidente para que haja mudança e um Estado de Direito.", pediu um apoiante. "Rezamos pela mudança e por novos líderes. Apoiamos Thisekedi porque estamos fartos", disse outro seguidor da UDPS.

Entretanto, em Angola, face ao que classifica como "progresso significativo feito no país", a cimeira da SADC "reconsiderou a sua decisão de destacar um enviado especial" para a RDC. O encontro juntou em Luanda, além do chefe de Estado angolano, João Lourenço, os Presidentes da República da África do Sul, Namíbia, Zâmbia e da República Democrática do Congo, o vice-Presidente da Tanzânia, o rei da Suazilândia e o primeiro-ministro do Lesoto.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados