″Cimeira alternativa″ para debate inclusivo sobre megaprojetos em Moçambique | NOTÍCIAS | DW | 12.11.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

"Cimeira alternativa" para debate inclusivo sobre megaprojetos em Moçambique

Sociedade civil quer ir além dos negócios no debate sobre os megaprojetos. Para isso, ONG promovem encontro em Maputo à margem da 6ª Cimeira do Gás de Moçambique, promovida pela Empresa Nacional de Hidrocarbonetos.

Um grupo de organizações da sociedade civil moçambicana vai apelar esta terça-feira (12.11) a um debate inclusivo sobre os megaprojetos de exploração de gás no país, numa "cimeira alternativa" ao encontro de negócios que decorre, a partir de quarta-feira, em Maputo.

"A cimeira empresarial tem um sentido exclusivo, porque acarreta elevados custos" de inscrição e o que se discute "são negócios", disse Camilo Nhancale, diretor executivo da Kuwuka - Juventude Desenvolvimento e Advocacia Ambiental.

Em consequência, "temas como impactos sociais, económicos e ambientais resultantes dos investimentos são negligenciados", acrescentou o dirigente da organização não-governamental (ONG).

O encontro alternativo promovido pelas ONG, na capital, tem a designação "Nossos recursos, nossa riqueza, nossa inclusão", e arranca um dia antes da 6.ª Cimeira do Gás de Moçambique, que decorre quarta e quinta-feira.

A sexta cimeira é promovida pela Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), em parceria com uma empresa internacional de organização de eventos do setor energético (CWC Group).

Exploração VS Desenvolvimento

As ONG pretendem discutir o contexto geral da indústria extrativa, considerando que o Estado moçambicano é "generoso" nas isenções fiscais, o que faz com que a exploração de recursos não se traduza no desenvolvimento das zonas afetadas.

Apontam como exemplos projetos de exploração de areias pesadas em Moma e Angoche (ambos na província de Nampula, Norte do país), carvão mineral em Tete (zona Centro) e gás natural em Temane (zona Sul).

O debate pretende preparar os investimentos em gás natural na bacia do Rovuma, Norte do país (que vão estar igualmente em foco na cimeira empresarial) por parte de consórcios liderados pela Total, Exxon Mobil e Eni e cujos investimentos vão rondar 50 mil milhões de dólares (45,3 mil milhões de euros).

O encontro é promovido pelas organizações Kuwuka, Associação Nacional de Extensão Rural, Coligação Cívica sobre a Indústria Extrativa e Oxfam Moçambique, com apoio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

Leia mais