Cidade moçambicana tem dinheiro, mas não tem equipamento para obras | Moçambique | DW | 26.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cidade moçambicana tem dinheiro, mas não tem equipamento para obras

Edil de Cuamba procura parcerias para iniciar o mais rápido possível as obras nas vias públicas da segunda maior cidade do Niassa. Mário Naula diz que cidade dispõe de 3 milhões de euros para a reabilitação das ruas.

O município de Cuamba, na província de Niassa, dispõe de 3 milhões de euros para reabilitar as ruas da autarquia, mas não tem equipamentos nem máquinas para os trabalhos. A segunda maior cidade da província do Niassa é conhecida pelas ruas esburacadas e pavimentação precária. Os munícipes sofrem com o estado das vias públicas, que acaba por prejudicar a mobilidade. 

Há dois anos que o edil Mário Naula tomou posse na autarquia de Cuamba. No pouco tempo que está no Governo, decidiu encarar um problema cuja resolução foi por muito tempo adiada.  Cuamba, apesar de ter os recursos para as obras de pavimentação, não tem quem as faça.

Por isso, o edil está em Quelimane em busca de parcerias. A máquina da sua cidade está avariada há mais de um ano, o que o levou a firmar um protocolo de cooperação com a capital provincial da Zambézia. Naula diz que espera que as obras comecem em breve.

Mosambik Straßenbau in der Provinz Niassa

Máquinas de terraplenagem em estrada no Niassa

Em entrevista exclusiva à DW África, o autarca diz que a dificuldade na transitabilidade não é o único problema que afeta os munícipes de Cuamba, mas é uma prioridade, porque boas vias públicas estimulam investimentos locais e nacionais.

 As autarquias de Cuamba e Quelimane, embora tenham várias diferenças – como as características de relevo e climáticas - têm edis com relacionamento próximo, que assinaram acordos de apoio mútuo. 

Problema de coleta do lixo está a afetar a Zambezia

Ao revelar para a DW África que garante o apoio a Cuamba, o edil de Quelimane, Manuel de Araújo,  lamentou da sua parte os problemas graves na gestão do lixo na capital da província da Zambezia.

Mosambik Manuel Araújo

Manuel Araújo decidiu colaborar com Naula

O autarca diz que há 10 anos que o governador, Abdul Razak Noormahomed, promete a criação de uma secretaria de estado para resolver o problema. "Continuamos a espera porque o local que temos como aterro sanitário ou lixeira não é ideal”, diz Araújo. Ele lamenta que na entrada da cidade de Quelimane, "o cartão de visita é o lixo”.

A quantidade de resíduo produzido pelos munícipes em Quelimane é tão grande, que os trabalhadores da limpeza urbana exigem agora uma maior recompensa, um salário que consideram mais justo.

 Cecília José é coletora de lixo em Quelimane e conta que as condições de trabalho e a remuneração não são equivalentes. "Estamos a passar mal. O arroz está 18 euros e a farinha 12. Tens de comprar com 4 euros. Só estamos a chorar nesta parte do dinheiro.”, afirma.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados