Ciclones em Moçambique: Voltar à escola é crucial para superar o trauma | Moçambique | DW | 10.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ciclones em Moçambique: Voltar à escola é crucial para superar o trauma

Alerta é da ONU, que diz que a passagem do Idai e do Kenneth deixou quase 400 mil crianças moçambicanas sem acesso à educação. UNICEF aposta em escolas temporárias e no apoio psicossocial a alunos e professores.

Foto ilustrativa: Escola na Zambézia

Foto ilustrativa: Escola na Zambézia

Um milhão de crianças precisa de ajuda humanitária em Moçambique, após a passagem de dois ciclones em menos de dois meses no centro e norte do país. Perderam quase tudo: familiares, casa, acesso à saúde, água, saneamento e educação.

Os dados mais recentes da Agência das Nações Unidas para a Infância e do Ministério da Educação de Moçambique apontam para cerca de 377 mil alunos, entre os 5 e os 16 anos, afetados pelos ciclones. As chuvas, ventos fortes e inundações destruíram quase 4.000 salas de aula e muitas foram usadas como centros de acomodação às vítimas. É preciso acompanhar o regresso destas pessoas às suas comunidades para restaurar a normalidade nas escolas, diz a UNICEF.

Enquanto se planeia a reconstrução, com foco na resiliência, e se acompanham as famílias no regresso a casa, as autoridades moçambicanas e as organizações humanitárias esforçam-se para que as crianças afetadas voltem ao sistema de ensino. As Nações Unidas lembram que "qualquer interrupção prolongada no acesso à aprendizagem pode ter consequências devastadoras para as crianças".

Bart Vrolijk, especialista em educação de emergência da UNICEF, está em Moçambique a apoiar os esforços da agência da ONU. Em entrevista à DW África, o responsável alerta para o risco de aumento do número de alunos que desistem da escola, este ano: "Há um grande esforço do Ministério da Educação para o regresso das crianças à escola, mas há um risco definitivo de aumento da taxa de abandono escolar".

O risco é maior nas zonas remotas afetadas pelos ciclones, diz o especialista, uma vez que, aqui, "os pais não têm outra forma se não envolver as crianças em atividades para obter rendimentos".

O impacto das intempéries deverá também refletir-se nas notas. "Há planos para alargar o ano letivo para o período de férias para tentar compensar a aprendizagem, mas os resultados serão certamente afetados", considera Bart Vrolijk.

Mosambik Zerstörung nach Zyklon Kenneth

Vista aérea do distrito de Macomia, em Cabo Delgado, a 27 de abril

Alternativas para aprender

O primeiro trimestre do ano letivo chegou agora ao fim e é preciso compensar o tempo perdido. "Numa primeira fase, o Ministério da Educação deu prioridade ao ensino secundário, para garantir a execução dos exames", diz o responsável da UNICEF.

Mas as operações têm um objetivo alargado e bem definido: o regresso das crianças a um ambiente de aprendizagem - mesmo que não possam, para já, voltar a uma sala de aula normal.

"Estabelecemos centros temporários de aprendizagem, estruturas rudimentares, montadas com alguns postes e lonas", explica Bart Vrolijk. Nesta primeira fase da resposta de emergência, a UNICEF disponibiliza também a chamada "School in a box" - em português, escola numa caixa - com materiais de ensino para alunos e professores, e kits com material didático para as crianças mais pequenas.

Em Cabo Delgado, no norte, onde mais de 41 mil alunos ficaram sem poder ir à escola após a passagem do Kenneth e onde ainda há zonas de difícil acesso devido às inundações, as autoridades continuam nesta primeira fase da resposta de emergência. Já nas áreas afetadas pelo Idai, no centro do país, há quase dois meses, as operações entraram numa segunda fase e já se prepara a reabilitação das escolas destruídas.

"Build Back Better" - Reconstruir melhor

A UNICEF, juntamente com a ONU-Habitat e o Ministério da Educação, têm definidos protocolos de construção resiliente de escolas há já algum tempo, o que vai facilitar o atual processo de reconstrução. Na conferência marcada para o final do mês de maio para angariar donativos para a reconstrução, os doadores vão poder ver maquetes e conhecer o plano completo de reabilitação. O lema é "Build Back Better", ou reconstruir melhor, em português.

Ouvir o áudio 04:37

Ciclones em Moçambique: Voltar à escola é crucial

Este é um plano que, segundo Bart Vrolijk, não pode ser executado sem a população: "Tão ou mais importante é o envolvimento da comunidade escolar, desde diretores, professores, alunos e pais, para que estejam mais bem preparados para a próxima emergência. É importante incluir isto nas atividades de ensino".

Ajudar quem ensina

A UNICEF está também preocupada com os professores. Há quase 9.000 docentes entre as pessoas afetadas pelos ciclones. Apesar do trauma que eles próprios sofreram, são agora chamados a apoiar os processos de ensino e, para isso, precisam de ajuda. A UNICEF, diz o especialista em educação de emergência, está "a trabalhar com o Ministério da Educação para estabelecer uma espécie de pacote de incentivo para os ajudar".

"Ouvi histórias de professores que dormem nas escolas danificadas, em salas de aula sem telhado, sem janelas - mas não têm outro sítio onde ficar. Estamos a dar apoio psicossocial, em termos de ajudar as crianças e os professores a lidar com o que aconteceu", explica.

O apoio, segundo o especialista, passa ainda pelo desporto e atividades recreativas e pela criação de oportunidades para que alunos e professores possam falar das suas experiências.

Por outro lado, a UNICEF já começou a treinar professores e outros responsáveis dos serviços de educação provinciais para que sejam capazes de identificar os traumas das crianças atempadamente e de fornecer apoio psicossocial.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados