Ciclone Idai: ″Apoio às vítimas ainda é insuficiente″, diz Graça Machel | Moçambique | DW | 23.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ciclone Idai: "Apoio às vítimas ainda é insuficiente", diz Graça Machel

Recursos para ajudar vítimas do ciclone Idai em Moçambique ainda são poucos e o número de afetados deve ultrapassar estimativas do Governo, diz a presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, Graça Machel.

O número de pessoas afetadas pelo ciclone Idai poderá ultrapassar os três milhões e os recursos necessários para a assistência humanitária são ainda muito insuficientes, referiu neste sábado (23.03) Graça Machel, presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade.

"Posso arriscar: temos muito acima de três milhões de pessoas afetadas e todo o apoio ainda é insuficiente", disse a ex-primeira-dama de Moçambique e viúva de Nelson Mandela, em conferência de imprensa, em Maputo.

"O Governo e as Nações Unidas fizeram um apelo muito por baixo", considerou, referindo que cerca de 30 milhões de dólares "servirá só para pôr a bola a rolar. Não se tinha uma avaliação completa da escala e magnitude dos problemas".

Madame Graça Machel

Graça Machel

Graça Machel deixou um alerta: "o mundo que se prepare" para números maiores. "Há de ser necessário, com números mais precisos, fazer outro apelo e provavelmente um terceiro", acrescentou.

"Toda ajuda será necessária"

A presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade falava em conferência de imprensa ao lado de Henrietta Fore, diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), que fez uma visita à região afetada na sexta-feira.

Henrietta Forre referiu que há muitas crianças separadas das suas famílias e vão ser necessários orfanatos e outras instituições para lhes dar apoio. Toda a ajuda vai ser necessária, frisou, em inglês.

Graça Machel considera que a prioridade deve continuar a ser o salvamento: "Imaginem o que significa estar pendurado em cima de um telhado ou árvore durante oito dias. As pessoas começam a cair de exaustão", descreveu. Ela considera que o Governo do país "trabalhou bem no alerta" para o ciclone, "embora haja quem diga que depois não se removeram as pessoas", mas realça que a dimensão do problema é avassaladora.

Mosambik Buzi Nach Zyklon IDAI

Residentes do distrito de Buzi, em Sofala, refugiam-se no telhado das casas

A ex-primeira-dama frisou que "vamos precisar de ajuda internacional por muito tempo", mesmo antes da fase de reconstrução. "Esta é uma emergência nunca vista na nossa história. Todos nós estamos devastados. Não temos experiência de gerir a complexidade desta emergência", acrescentou.

"Obviamente que a economia já estava sob pressão e isso significa que o Governo, de antemão, já tinha muitos poucos recursos", acrescentou, questionada pelos jornalistas.

Nesta sexta-feira, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, fez um chamado para que toda a comunidade internacional contribua com fundos para fazer frente aos estragos causados pela passagem do ciclone Idai. "É necessário um apoio internacional muito maior", advertiu o diplomata português, que pediu solidariedade ao mundo com os três países afetados – além de Moçambique, Zimbabué e Malawi.

O balanço provisório da passagem do ciclone Idai em Moçambique voltou a aumentar, subindo para 418 mortos, segundo dados fornecidos pelo Conselho de Ministros à Televisão Pública de Moçambique.

Leia mais