Ciclone Idai: 2 mil pessoas em marcha solidária em Inhambane | NOTÍCIAS | DW | 30.03.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ciclone Idai: 2 mil pessoas em marcha solidária em Inhambane

Angariar donativos para as vítimas do ciclone no centro de Moçambique foi o grande objetivo da marcha desta sexta-feira (29.03) na cidade de Maxixe, no sul do país. Recolha continua este sábado, em Inhambane.

Cerca de 2 mil pessoas saíram à rua esta sexta-feira na cidade de Maxixe, em Inhambane, no sul de Moçambique, em solidariedade com as vítimas do ciclone Idai. Os organizadores querem angariar mais apoios para as pessoas afetadas, desde produtos alimentares a roupa.

Os donativos, na maioria arroz e artigos de vestuário, foram entregues ao Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) ao final do dia, numa gala de angariação, uma vez que o arranque do Carnaval na cidade de Maxixe levou a uma certa desorganização na marcha solidária.

O evento deveria ter tido lugar durante a manhã de sexta-feira, mas as autoridades municipais preferiram juntar a marcha a outro desfile com a participação de grupos carnavalescos.

"Sabemos que o pouco que cada um pode trazer vai servir para quem não tem nada hoje", disse Hélder Jossias, porta-voz do evento, à DW África. "Vale a pena que todos nos possamos unir nesta busca. Precisamos de produtos não perecíveis que vão fazer a diferença na vida de muitos que perderam tudo e vamos angariar apoios".

Ouvir o áudio 02:22

Ciclone Idai: 2 mil pessoas em marcha solidária em Inhambane

Luís Cossa, membro da sociedade civil em Inhambane pela Malhalhe – Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Mulher, afirma que esteve presente na marcha para demonstar sua soliariedade para com "os irmãos na zona do centro do país" afetada pelo ciclone. Apelou à doação de "artigos alimentares e vestuário, aquilo que é possível dar para que possam suprir as necessidades que têm agora".

António Marcos, outro participante, considera que a iniciativa foi boa para demonstrar a união que existe entre os moçambicanos: "É uma marcha que veio mostrar a nossa solidariedade com as vítimas do ciclone Idai. É muito necessário para ajudarmos os nossos irmãos que neste momento não têm nada para comer nem vestir".

Leia mais