Chipre aprova lei com penas mais duras para feminicídios | NOTÍCIAS | DW | 09.07.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Chipre aprova lei com penas mais duras para feminicídios

Parlamento de Chipre aprova uma nova lei contra o feminicídio, com penas que podem alcançar a prisão perpétua para os agressores.

O Parlamento de Chipre aprovou na quinta-feira uma nova lei contra o feminicídio, com penas que podem alcançar a prisão perpétua para os agressores, anunciou a presidente da Câmara dos Representantes cipriota.

"O feminicídio é um crime à parte", escreveu Annita Demetriou na rede social do Twitter.

"Hoje [deu-se] um passo decisivo no longo caminho para a eliminação da violência baseada no género, dando visibilidade e incluindo a dimensão do género na legislação do país", acrescentou Demetriou, que apresentou a proposta.

A legislação, aprovada com 38 votos a favor e quatro contra, surgiu "em resposta à escalada do fenómeno do feminicídio"que o país está a viver, notou a responsável.

Zypern | Prozess um Gruppenvergewaltigung | Demonstranten vor dem Obersten Gerichtshof

Protestos no Chipre, em janeiro de 2022. Foto de arquico.

Pena

De acordo com a nova lei, o cálculo da pena terá como agravante o facto de a morte ocorrer na sequência de um ato de violência sexual cometido pelo parceiro, tortura ou violência contra as mulheres.

Também serão circunstâncias agravantes os casos em que a morte seja consequência de violência motivada por crenças religiosas, orientação sexual ou identidade de género, bem como de crimes de mutilação genital feminina, violência com o propósito de exploração sexual, tráfico de pessoas ou crime organizado.

"Ao mesmo tempo, acrescenta-se um parâmetro valioso à caixa de ferramentas para eliminar o fenómeno: é-nos dada a possibilidade de um registo oficial de feminicídios", disse ainda Annita Demetriou.

Uma policial destaca-se no combate à violência doméstica no Níger