China critica ″provocação perigosa″ dos EUA após encerramento de consulados | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 28.07.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

China critica "provocação perigosa" dos EUA após encerramento de consulados

A China critica os Estados Unidos pelo que define de "provocação perigosa" que pode implicar uma "confrontação" no caso do encerramento dos consulados, mas deseja que os dois países "comuniquem de forma racional".

No decurso de uma conversa com o seu homólogo francês Jean-Yves Le Drian, o ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, advertiu que as relações sino-norte-americanas  se arriscam a "cair nos abismos da confrontação" e apelou à comunidade internacional para evitar "qualquer ato unilateral ou hegemónico", segundo uma transcrição fornecida pelo ministério chinês. 

A China assumiu na segunda-feira (27.07) o controlo do consulado dos Estados Unidos em Chengdu (sudoeste), abandonado pelos diplomatas norte-americanos, em reação ao encerramento por Washington na semana passada do consulado chinês em Houston (Texas), no rescaldo de um episódio diplomático que fez recordar o período da Guerra fria.

"Este perigoso incitamento à confrontação e à divisão por parte dos Estados Unidos é totalmente desligado da realidade, na qual os interesses da China e dos Estados Unidos estão intimamente ligados", considerou o ministro chinês. 

Os dois países devem "procurar comunicar de forma racional" e "nunca permitir que elementos antichineses ponham em causa as décadas de trocas e de frutuosa cooperação", acrescentou. 

Os EUA alegaram que o consulado de Houston era um ninho de espiões chineses, que tentaram roubar dados de instalações no Texas, incluindo o sistema médico do Texas A&M e o MD Anderson Cancer Center, da Universidade do Texas, em Houston. 

A China definiu as alegações de "calúnia maliciosa".

Assistir ao vídeo 01:43

Covid-19: Uganda quer reduzir dependência da China

Leia mais