Chadianos protestam contra Junta Militar no poder | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 07.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Chadianos protestam contra Junta Militar no poder

Centenas de cidadãos protestaram este sábado (07.08) em N’Djamena contra a junta de militares que governa o Chade desde a morte do Presidente Idriss Déby. Manifestação foi acompanhada por forte presença policial.

As manifestações deste sábado foram convocadas por organizações da sociedade civil. O chamado era contra a "tomada de poder" pelo Conselho Militar de Transição (CMT) em abril, liderada pelo filho de Idriss Déby, Mahamat Idriss Déby, de 37 anos de idade.

"Estamos a lutar por um Chade justo. Não vamos parar enquanto houver injustiça no país e o CMT estiver no comando", disse Max Loalngar, porta-voz de Wakit Tamma, uma plataforma da oposição.

As autoridades deram luz verde para o protesto e destacaram forças de segurança. Mas não houve violência.

"Marchei para dizer não à devolução monárquica do poder no Chade", disse Elsa, uma manifestante de 23 anos, segurando um cartaz que dizia "O Chade não é um reino".

Tschad N'Djamena | Demonstration der wakit Tama Bewegung

"Não à impunidade", pede um manifestante em N'Djamena

Marcelino, de 25 anos, acrescentou: "O país tem vindo a recuar há quase 30 anos em termos de educação, água potável e acesso ao emprego. É preciso estar próximo do partido no poder ou de um membro do clã para se ter acesso a um emprego".

Transição de poder

Os generais sob o Governo do filho de Déby prometeram eleições "livres e transparentes" após uma "transição" de 18 meses quando tomaram o poder, em abril - mas também procederam à dissolução do Parlamento e à revogação da Constituição.

Um prometido "diálogo nacional", que deveria incluir críticos da oposição, ainda não começou e um organismo com 93 membros, que deveria redigir uma nova Constituição, ainda tem de ser nomeado.

O ex-Presidente Idriss Déby morreu em abril depois de ser atingido durante uma batalha com rebeldes no interior do país.

Leia mais