Cessar-fogo ″histórico″ na Líbia | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 23.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Cessar-fogo "histórico" na Líbia

As Nações Unidas anunciaram que as partes em conflito na Líbia alcançaram um "feito histórico" com um acordo de cessar-fogo permanente em todo o país.

A Comissão Conjunta Militar, conhecida como 5+5, chegou esta sexta-feira (23.10) ao que a ONU considera ser um "importante ponto de viragem para a paz e a estabilidade na Líbia" - um acordo de cessar-fogo permanente em todo o país.

Schweiz Genf | Gespräche zu Waffenstillstand in Libyen - Stephanie Williams

Stephanie Williams está otimista que acordo será duradouro

"Espero que este acordo contribua para acabar com o sofrimento do povo líbio e esperamos que permita aos deslocados e aos refugiados, no interior e no exterior do país, regressar às suas casas e viver em paz e segurança", disse a chefe da Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (MANUL).

Stephanie Williams, que mediou as negociações da última semana, já se tinha mostrado "bastante otimista" quanto à possibilidade de um cessar-fogo duradouro.

A representante da ONU adiantou que o cessar-fogo deve ser acompanhado da saída da Líbia "dos mercenários e combatentes estrangeiros num prazo máximo de três meses a contar de hoje".

UE impõe condições para apoio

A União Europeia (UE) considera que o acordo é "uma boa notícia", apelando à sua implementação efetiva.

Assistir ao vídeo 02:11

Vendido como escravo

Contudo, isso poderá ser "mais difícil" do que o compromisso agora negociado, comentou Peter Stano, porta-voz do chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

A UE condicionou o seu apoio económico e político à Líbia a três pré-condições: um cessar-fogo permanente, o levantamento do bloqueio das exportações de petróleo e o retomar do diálogo político.

A Turquia duvida, no entanto, da credibilidade do acordo assinado esta sexta-feira em Genebra. "O acordo de cessar-fogo de hoje não foi concluído ao mais alto nível, mas a um nível inferior", afirmou Recep Tayyip Erdogan, o Presidente da Turquia, que apoia militarmente uma das partes do conflito.

Caos pós-Kadhafi

A Líbia tem sido palco de violência e de lutas de poder desde a queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011. Duas autoridades disputam atualmente o poder, ambas amparadas por militares: o Governo de acordo nacional (GAN, reconhecido pelas Nações Unidas e sediado em Tripoli) e o marechal Khalifa Haftar no leste do país.

Os combates na Líbia causaram centenas de mortos e obrigaram à fuga de dezenas de milhares de pessoas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados