Central sindical volta a marchar em Bissau para pedir melhor governação | Guiné-Bissau | DW | 03.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Central sindical volta a marchar em Bissau para pedir melhor governação

Os trabalhadores guineenses voltaram a sair à rua esta terça-feira, contra os impostos e os subsídios dos governantes. A UNTG diz que a população está a sofrer com os impostos e os altos preços dos produtos essenciais.

Durante a marcha convocada pela União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG), os manifestantes passaram pelo Porto de Pindjiguiti, para depositar coroas de flores em memória das vítimas do massacre de 3 de agosto de 1959.

O percurso dos manifestantes terminou em frente à sede da UNTG, com a intervenção do secretário-geral da central sindical, Júlio Mendonça, que voltou a reprovar a atuação do Governo liderado por Nuno Nabiam.

"A atuação do atual Governo comprova claramente que os valores e conquistas da luta de libertação [nacional] foram completamente beliscados pela classe política guineense. Não existe respeito escrupuloso pelo princípio da legalidade, pela liberdade de expressão e de manifestação. O ataque à nossa sede [no dia 14 de julho, pela polícia] ilustra claramente o desrespeito total do princípio da legalidade e a atuação arbitrária deste Executivo."

Bissau | Protest der Nationalen Gewerkschaft der Arbeiter Guinea-Bissaus

Local onde há 62 anos teve lugar o massacre de Pindjiguiti, que provocou pelo menos 50 mortos

A UNTG boicotou o evento oficial em memória do massacre de Pindjiguiti, levado a cabo pela polícia colonial portuguesa há 62 anos.

No ato oficial, o secretário de Estado dos Transportes, Augusto Gomes, que falou em nome do primeiro-ministro, deixou uma promessa: "Temos responsabilidades, enquanto governantes, de modernizar o trabalho, modernizar o nosso sistema de saúde e de educação e modernizar a nossa forma de governar. Devemos saber antecipar os problemas que afetam a sociedade, saber evitar as greves, através de diálogo franco e honesto, à volta da mesa."

É hora de "mudar a governação"

Para o secretário-geral da UNTG, está na hora de mudar a governação do país, porque a população está extremamente insatisfeita. Júlio Mendonça volta a acusar o Governo de ser o único no mundo que, em plena pandemia, agravou os impostos aos cidadãos.

"Não basta criar expetativas ao nosso povo, o importante é mudar o paradigma da governação, que implica rigor na gestão da coisa pública, organização da administração pública, cumprimento escrupuloso do princípio da legalidade e combate severo à corrupção, que compromete o processo de desenvolvimento e criação do bem-estar do nosso povo."

Para o sociólogo Infali Donque, o Governo deve tomar medidas concretas para garantir justiça social, porque "isso vai contribuir enormemente para a estabilização da sociedade, criando condições para o acesso aos bens essenciais e aos hospitais em condições."

Assistir ao vídeo 01:11

União para a Mudança denuncia estado de terror e ditadura na Guiné-Bissau

Leia mais