Caso de jornalista ruandês desaparecido em Moçambique chega à PGR | Moçambique | DW | 01.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Caso de jornalista ruandês desaparecido em Moçambique chega à PGR

Associação dos Ruandeses Refugiados em Moçambique submeteu à Procuradoria-Geral da República o caso do desaparecimento de Ntamuhanga Cassien. Jornalista ruandês crítico de Kigali vivia exilado na ilha de Inhaca.

"Decidimos submeter o caso à PGR [Procuradoria-Geral da República] e o nosso advogado esteve lá hoje [01.06]. Esta é a maneira que nós temos de fazer pressão sobre as autoridades para que se localize o Ntamuhanga Cassien", disse à agência de notícias Lusa o porta-voz da associação, Cleophas Habiyareme. 

Segundo a Associação dos Ruandeses Refugiados em Moçambique, Cassien foi levado no 23 do mês passado "por oito indivíduos desconhecidos que se apresentaram como agentes da Polícia da República de Moçambique (PRM)", num grupo que incluía outro cidadão do Ruanda "que se expressava na mesma língua local do visado". 

A Lusa contactou esta terça-feira (01.06) o porta-voz do Serviço Nacional de Investigação Criminal (Sernic), Hilário Lole, que voltou a demarcar-se da eventual detenção do jornalista.  "Nós não temos qualquer informação nova sobre este caso", limitou-se a dizer.  

Quem é Ntamuhanga Cassien?

Ntamuhanga Cassien, 37 anos, foi jornalista e diretor da rádio cristã Amazing Grace, em Kigali (capital ruandesa), trabalhando agora como comerciante em Moçambique. Dizia-se vítima de perseguição política como outros críticos do regime do Presidente Paul Kagame. 

Frankreich Treffen des kongolesischen Präsidenten Félix Tshisekedi mit dem ruandischen Präsidenten Paul Kagame

Paul Kagame, Presidente do Ruanda

Fugiu da prisão no Ruanda em 2017, depois de ter sido condenado em 2015 a uma pena de 25 anos de prisão por conspiração contra o Estado, cumplicidade com terrorismo e homicídio - sentença na altura contestada por organizações de defesa de direitos humanos. 

Líder do Ruanda desde 1994, a Kagame é atribuído o desenvolvimento do país após o genocídio de tutsis daquele ano, mas o chefe de Estado é também acusado de limitar a liberdade de expressão e de reprimir a oposição. 

Limitação das liberdades de imprensa e expressão

A organização Human Rights Watch (HRW) acusou no final de março as autoridades ruandesas de estarem a limitar a população que recorre à Internet para se expressar no país, depois de restringirem a liberdade de expressão nos órgãos de comunicação social. 

A organização de defesa dos direitos humanos diz que pelo menos oito pessoas que cobrem ou comentam a atualidade, incluindo o impacto das medidas de contenção da Covid-19 na população mais pobre, foram ameaçadas, presas ou processadas no último ano, segundo a agência France-Presse. 

A restrição de liberdades tem também sido denunciada e condenada por outras organizações como a Repórteres sem Fronteiras e a União Europeia (UE). 

O genocídio no Ruanda foi responsável pela morte de mais de 800.000 pessoas, principalmente da minoria tutsi, entre abril e julho de 1994.

 

Leia mais