Candidato do partido no poder vence presidenciais na Mauritânia | NOTÍCIAS | DW | 23.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Candidato do partido no poder vence presidenciais na Mauritânia

Mohamed Ould Ghazouani, apoiado pelo chefe de Estado cessante, Mohamed Abdel Aziz, venceu as eleições à primeira volta, com maioria absoluta, segundo a Comissão Eleitoral Nacional Independente

Ould Ghazouani no último ato de campanha, a 20 de junho, em Nouakchott.

Ould Ghazouani no último ato de campanha, a 20 de junho, em Nouakchott.

O candidato do partido no poder na Mauritânia, Mohamed Ould Ghazouani, venceu à primeira volta, com maioria absoluta, as eleições presidenciais deste sábado (23.06), numa altura em que estão contados praticamente todos os votos, diz a Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI).

Com a contagem terminada em 3.729 de um total de 3.861 assembleias de voto, o ex-chefe dos serviços de segurança vence com 51,5%, segundo os dados publicados na página da CENI na internet.

Ghazouani tinha já reclamado vitória na madrugada de domingo, na presença do Presidente cessante, apoiantes e jornalistas.

O escrutínio é o primeiro da história da Mauritânia em que se prevê que um presidente eleito termine o seu mandato e transfira o poder para um sucessor eleito, embora a oposição tenha manifestado a preocupação de que a votação possa perpetuar um Governo dominado por figuras militares.

Cerca de 1,5 milhões de pessoas foram chamadas a votar no sábado no país predominantemente muçulmano, com cerca de 4,5 milhões de habitantes. A afluência às urnas foi de 62,6%, segundo a CENI.

Entre os outros cinco candidatos, Biram Ould Dah Ould Abeid ficou em segundo lugar, com 18,58% dos votos e Mohamed Ould Boubacar em terceiro, com 17,82%.

"Prudência e contenção"      

Em comunicado, a CENI afirma que continua a compilar os resultados em todo o país antes de enviar os dados para o Conselho Constitucional. Entretanto, a Comissão Eleitoral "aconselha os candidatos a mostrar prudência e contenção", esperando que a calma vivida durante a campanha e no dia das eleições se mantenha.

Tanto Abeid como Boubacar fizeram denúncias de irregularidades na votação e da retirada de representantes dos partidos em algumas assembleias de voto. No entanto, a CENI diz que não se registaram problemas significativos.

Abeid criticou Ghazouani por reclamar vitória numa altura "em que a contagem de votos continua a decorrer” e classificou o anúncio do candidato do poder como "falsidade".

Entretanto, o Governo da Mauritânia já felicitou o candidato do partido no poder, chamando-lhe "Presidente eleito" na rede social Twitter.

"Felicidades ao Presidente eleito Mohamed Ould Ghazouani pela confiança que o povo lhe mostrou. Desejamos-lhe todo o sucesso no seu trabalho", escreveu o ministro da Comunicação, Sidi Mohamed Ould Maham.

Leia mais