Campanha eleitoral em Tete termina com feridos e detidos | Moçambique | DW | 08.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Campanha eleitoral em Tete termina com feridos e detidos

Confrontos entre membros da FRELIMO e da RENAMO em Tete, no domingo, resultaram em 13 feridos, dos quais quatro em estado grave, e uma viatura incendiada. Estão detidos 12 membros da RENAMO, incluindo filho do candidato.

default

Ricardo Tomás (centro), cabeça de lista da RENAMO, ficou ferido no confronto

Tudo começou quando uma caravana da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) comandada pelo respectivo cabeça de lista, Ricardo Tomás, entrou em confronto com uma brigada de jovens da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), frente à sede da perdiz em Tete.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) usou gás lacrimogéneo, além de efetuar disparos com balas de borracha e reais. Neste confronto, uma viatura foi vandalizada e pelo menos 13 pessoas ficaram feridas, das quais quatro em estado grave.  Entre os feridos estão elementos das duas formações políticas, atingidos por pedras e outros objetos.

Os feridos graves estão em tratamento no hospital provincial de Tete. "Os casos que foram internados são de traumatismos leves e moderados que neste momento se encontram sob cuidados nos serviços de cirurgia", informou Mauro Monteiro, diretor clínico da unidade sanitária.

"Pretendem fragilizar a RENAMO"

Félix Assumate, delegado político provincial da RENAMO em Tete, classificou como "intimidatório" o que aconteceu no domingo (07.10). "Pretendem fragilizar a RENAMO, desmoralizar os membros ou a população para não afluírem em massa no dia 10 de outubro, para irem votar em quem desejam", disse.

Assumate acusou a Polícia de uso excessivo da força perante os membros e simpatizantes da RENAMO. "A regra da polícia é não disparar, a regra é notificar as pessoas e estas serem ouvidas de uma forma pacífica", concluiu.

Ouvir o áudio 02:25
Ao vivo agora
02:25 min

Campanha eleitoral em Tete termina com feridos e detidos

O porta-voz do comando-geral da PRM, Inácio Dina, disse que a polícia foi obrigada a intervir para libertar três pessoas que estariam a ser mantidas em cativeiro na delegação política provincial da RENAMO. "Os indivíduos arremessavam pedras e estavam a danificar alguns bens a polícia foi obrigada a actuar. E porque estes indivíduos estavam em cativeiro em ato contínuo, a polícia foi resgatá-los, entre eles um menor de 13 anos", declarou.

A RENAMO nega ter mantido alguém em cativeiro. O delegado político provincial fala de manobras dilatórias do partido no poder, a FRELIMO.

Membros da RENAMO detidos

Segundo o mais recente balanço da PRM, 12 indivíduos estão detidos em conexão com este caso, todos membros da RENAMO, um dos quais é filho do cabeça de lista do partido na cidade de Tete, Ricardo Tomás, que foi ferido no confronto, mas acabou por escapar.

"Neste momento estão a decorrer necessárias tramitações para que pelo crime de dano, ofensas corporais entre outros poderá haver a devida responsabilização", anunciou Inácio Dina. Não há confirmação dos óbitos nem da detenção do cabeça de lista da RENAMO, segundo a PRM. "Foi uma situação que estava a sair do controlo. Havia uma violência claramente manifesta. A polícia usou a sua força contra os arruaceiros, criminosos que estavam a vandalizar alguns bens", indicou o porta-voz.

O porta-voz da FRELIMO em Tete, Domingos Macajo, aponta o dedo à RENAMO pelo sucedido. "Não houve cruzamento de caravanas. Não casos isolados de nossos quadros que foram perseguidos e só por estarem a ostentar indumentárias da Frelimo", indicou Macajo, salientando que "a RENAMO na cidade de Tete não pode aparecer como vítima."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados