Camarões: Separatistas prometem ″fazer tudo″ para sabotar o CAN | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 14.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Camarões: Separatistas prometem "fazer tudo" para sabotar o CAN

Separatistas das regiões anglófonas dos Camarões são acusados de intensificar os ataques no país, onde está a decorrer a Taça das Nações Africanas. Senador e líder tradicional foram mortos, um magistrado foi raptado.

A família de Henry Kemende está inconsolável. O advogado e senador da oposição foi arrancado do seu carro e morto a tiro por desconhecidos.

"Trabalhei com ele durante seis anos, no mesmo escritório, é como se estivesse a sonhar. É insuportável", diz o seu sobrinho e colega Luma Elvis Brown.

O Exército camaronês, na voz do general Valere Nkah, aponta o dedo aos grupos armados que reivindicam a independência das duas regiões de língua inglesa sob o nome de "Ambazónia".

"Eles mataram-no, mas não temos os detalhes. As forças de segurança vão investigar", comenta.

Assistir ao vídeo 02:21

Camarões: Reintegrar ex-combatentes separatistas

O senador Kemende era um crítico feroz da forma como o Governo camaronês lida com a crise nas regiões de língua inglesa. A sua morte é mais um sinal do agravamento da violência. Nos últimos dias, um líder tradicional também foi morto e um magistrado foi sequestrado.

Na cidade de Buea, sul do país, onde algumas das equipas que participam na Taça das Nações Africanas estão alojadas, confrontos entre grupos armados e o Exército resultaram na morte de duas pessoas.

"CAN é um insulto"

Os separatistas lançaram o alerta à população para não circular em torno dos hotéis que albergam as delegações desportivas ou do estádio de Limbé, onde terão lugar alguns dos jogos.

"Faremos tudo o que é humanamente possível para sabotar este CAN e deter qualquer pessoa que viole o boicote e entre no nosso território no meio desta guerra", ameaçou Capo Daniel, chefe adjunto para a Defesa do Conselho do Governo da Ambazónia.

Segundo Daniel, a competição é "um insulto à dor do nosso povo oprimido. Por isso, qualquer visitante que venha ao nosso território ambazónio não é bem-vindo, porque esta Taça das Nações Africanas despreza a opressão do nosso povo, a nossa luta pela autodeterminação".

À medida que o conflito se agrava, ativistas alertam para as crescentes violações aos direitos humanos no país. O Governo insiste que o Exército vai derrotar os separatistas, mas há cada vez mais apelos a um diálogo inclusivo como a única saída para a crise que já dura há mais de cinco anos.

Assistir ao vídeo 03:15

Esperança para as crianças em plena guerra civil nos Camarões

Leia mais