Cabo Verde: Jovem desenvolve drones para ajudar na agricultura e reflorestação | NOTÍCIAS | DW | 28.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Cabo Verde: Jovem desenvolve drones para ajudar na agricultura e reflorestação

Jovem cabo-verdiano desenvolveu um projeto pioneiro de construção de drones para apoiar os setores agrícola e florestal. Os equipamentos podem ser ainda utilizados para apoio médico em zonas remotas.

O projeto de criação de drones para serem utilizados na agricultura e reflorestação em Cabo Verde resultou de uma pesquisa do fim de mestrado de Érico Pinheiro Fortes, 31 anos, na Bridgewater State University, nos EUA, em 2016.

O jovem, que agora é professor na Universidade de Cabo Verde, recorda em entrevista à DW África que, "não queria fazer algo só para terminar o mestrado", mas sim "algo que tivesse utilidade e que podia ajudar Cabo Verde".

Entre 2015 e 2016, Érico criou o seu primeiro protótipo de drone. Mais tarde, em 2019, iniciou a produção, importando peças dos EUA e da China. Alguns componentes são produzidos pelo próprio com a ajuda de uma impressora 3D.

Os primeiros drones

Tudo indica que Érico Pinheiro é o primeiro cabo-verdiano a fazer drones no país. Até agora, já construiu três drones com a capacidade de realizar voos de longas distâncias. O maior tem seis motores, 95 centímetros de comprimento e capacidade para transportar até cinco quilogramas.

Os aparelhos estão preparados para fazer tarefas, como o lançamento de sementes e pulverização de pesticidas e fertilizantes. Ambos estão equipados com sistema GPS, comunicação DataLink, podendo ser operados com o controlo remoto ou de forma autónoma, através de um programa de computador.

"Através de um programa no seu computador, consegues planear toda a sua missão (…), como a que velocidade deve voar, a altitude e o ponto onde ele deve parar para lançar as sementes, porque ele é controlado via GPS. Desde que se planeie toda a missão, basicamente, é só apertar num ‘botãozinho-play' e ele executará a missão de forma autónoma",explica Érico Pinheiro Fortes.

A introdução desta tecnologia de voo não tripulado na agricultura em Cabo Verde vai ser, segundo o mentor do projeto, uma estratégia para atrair os jovens para este setor que tem perdido mão de obra jovem.

Os drones desenvolvidos por Érico Pinheiro podem ser ainda utilizados para o transporte de medicamentos e materiais médicos para zonas remotas. "Pensei nesta possibilidade de levar cargas para as populações remotas que, através de transportes de terrestres, seria mais difícil e demorado. Por via aérea, conseguiríamos chegar de forma eficiente e atempada às pessoas", salienta o jovem.

Nenhum dos equipamentos está ainda a ser operado. Além de drones, Érico Pinheiro desenvolve também pequenos robôs para fins educacionais. A ideia é despertar nas crianças o gosto pela tecnologia.

Kap Verde | Drone

Drones desenvolvidos por Érico Pinheiro Fortes

Falta de financiamento

A falta de financiamento é um dos maiores obstáculos que Érico Pinheiro tem enfrentado para levar adiante o seu projeto. Entretanto, em 2019, através da sua empresa, PrimeBotics, sediada na ilha de São Vicente, obteve um financiamento da Fundação Tony Elumelu para comprar alguns equipamentos, mas que não foram suficientes.

Esta falta de apoio tem condicionado o desenvolvimento rápido dos drones e robôs. "Desde que eu iniciei, sempre usei os meus próprios recursos. Mas, é claro que, se tiveres um financiamento, consegues ir muito mais rápido. Porém, tenho a consciência de que financiamento não é uma coisa fácil de se obter. Por isso, não fico à espera de alguém par vir ajudar-me com o meu projeto", desabafa.

Para Érico Pinheiro, conseguir um financiamento seria uma "excelente" ajuda para atingir um outro patamar. Mas, enquanto isso não acontecer, continuará a desenvolver os drones e robôs com os seus poucos recursos. A ambição deste jovem é colocar Cabo Verde no mapa mundial de produção de drones e robôs.

Tecnologias, uma das grandes apostas de Cabo Verde

O setor das tecnologias é uma das grandes apostas de Cabo Verde. Aliás, a intenção do Governo é mesmo transformar o país num "hub" de tecnologias.

O arquipélago tem registado vários ganhos nesta área. Recentemente, entrou, pela primeira vez, no "top 100" do Ranking Mundial de Ecossistemas de Inovação para Startups e no "top 10" ao nível de África. O país é também reconhecido a nível da Governação Eletrónica.

Para o secretário de Estado para Inovação e Formação Profissional de Cabo Verde, Pedro Lopes, "estes resultados são um orgulho para todos os cabo-verdianos e são fruto de políticas públicas deste Governo, que tem apostado muito na inovação, mas acima de tudo, é resultado do esforço e do talento dos nossos jovens e das nossas startups".

Kap Verde | Drone | Pedro Lopes (privat)

Pedro Lopes, secretário de Estado para Inovação e Formação Profissional de Cabo Verde

Inovação e capacitação dos jovens

Cabo Verde tem em andamento vários projetos estruturantes de infraestruturas tecnológicas, de inovação e capacitação dos jovens em tecnologias, como é o caso de "Cabo Verde Digital", uma plataforma criada com o objetivo de desenvolver o empreendedorismo de base tecnológica e criar um ambiente propício à inovação.

"Cabo Verde Digital tem vários projetos que vão mudar a vida dos nossos jovens. Desde a fase de capacitação com programas, como ‘Kode Verde', que quer formar 100 jovens de forma intensiva em programação, garantindo-lhes aquando da conclusão, automaticamente, um posto de trabalho nas empresas parceiras da iniciativa", assegura Pedro Lopes à DW.

Ainda no âmbito de "Cabo Verde Digital", serão criadas, em parceria com as universidades e empresas de telecomunicações, 50 startups de base tecnológica, que irão beneficiar 100 jovens.

"Weblab" é um outro projeto de ensino de tecnologias que, em quase dois anos, já capacitou 12 mil jovens, através de laboratórios contentorizados, colocados em 43 escolas secundárias e nas Aldeias SOS de São Domingos.

Cabo Verde tem em construção dois parques tecnológicos, um em Santiago e o outro em São Vicente. "O que queremos é que o parque tecnológico seja a âncora da nossa estratégia de criar um centro de desenvolvimento da economia digital, posicionando o país como uma referência em África, em matéria de inovação e conhecimento", afiança o Secretário de Estado para Inovação e Formação Profissional de Cabo Verde.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados