Cabo Verde despede-se do autarca de Santa Catarina de Santiago | Cabo Verde | DW | 27.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Cabo Verde despede-se do autarca de Santa Catarina de Santiago

Presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina de Santiago, José Alves Fernandes, foi a enterrar este domingo. Circunstâncias da morte continuam por esclarecer.

Hospital Agostinho Neto - Cidade da Praia

José Alves Fernandes foi socorrido no Hospital Agostinho Neto

Centenas de pessoas, entre muitas autoridades cabo-verdianas, amigos e familiares marcaram presença no funeral do autarca de Santa Catarina de Santiago, José Alves Fernandes, este domingo (27.12).

Três dias após a morte, no Hospital Agostinho Neto, na Cidade da Praia, o presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina de Santiago foi a enterrar, e numa cerimónia que começou com um velório no Salão Nobre dos Paços do Concelho, seguindo-se uma homenagem na praça central de Assomada.

Nessa cerimónia, a agora presidente da autarquia, Jassira Monteiro, enalteceu as qualidades do falecido autarca, sublinhando o "exemplo, simplicidade e humildade" do também conhecido por Beto Alves, um homem que disse ser "de poucas palavras, mas de grandes ações".

Jassira Monteiro prometeu "não deixar cair a bandeira" do Beto Alves, pedindo igualmente união de todos os santa-catarinenses para estarem à altura do seu legado e do seu exemplo.

Por sua vez, o presidente da Assembleia Municipal, Eurico da Moura, descreveu Beto Alves como um "homem íntegro, humano e sincero", entendendo que Santa Catarina "ficou mais pobre, e a vida mais cinzenta".

"Não deixaremos que o seu nome, a sua bandeira e o seu legado caiam no esquecimento", prometeu Eurico da Moura, na cerimónia no último de três dias de luto municipal decretados pela Câmara Municipal.

Ulisses Correia e Silva Ministerpräsident von Kap Verde

Ulisses Correia e Silva

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, lamentou a "perda prematura" do autarca, entendendo ser um "momento muito difícil" e apelou à capacidade de superação.

"Beto Alves foi um bom presidente de câmara municipal, dedicado e empenhado, comprometido com o desenvolvimento do seu concelho, Santa Catarina, a terra que o viu nascer, crescer e partir", disse o chefe do Governo.

Para o primeiro-ministro, o autarca fez um "trabalho meritório" e deixa um legado que orgulha Santa Catarina e vai ser recordado como um "bom presidente, um bom amigo e um bom patriota".

Marcaram ainda presenças o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, outros membros do Governo, autarcas, deputados, representantes de partidos políticos, corpo diplomático, autoridades civis e religiosas, familiares e amigos e muitos populares para o último adeus.

Durante as cerimónias, praticamente toda a gente usava máscara, embora o distanciamento físico seja difícil de ser observado tendo em conta ao momento pandémico que o país está a viver.

Seguiu-se depois uma missa de corpo presente na Igreja de Nossa de Senhora de Fátima e o funeral para o cemitério de Assomada, onde Beto Alves foi sepultado numa campa junto à do antigo Presidente da República António Mascarenhas Monteiro.

Investigações em curso

O político faleceu na quinta-feira (24.12) no Hospital Agostinho Neto, na Praia, para onde foi transferido cerca de 48 horas antes, após ser encontrado baleado na varanda da sua casa, na cidade da Assomada, o segundo maior centro da ilha de Santiago.

A Polícia Judiciária (PJ) de Cabo Verde informou que "tudo aponta tratar-se de uma tentativa de suicídio", mas adiantou que as investigações procedem, "para cabal esclarecimento do caso".

José Alves Fernandes, de 44 anos, foi reeleito para um segundo mandato em Santa Catarina, com o apoio do Movimento para a Democracia (MpD, partido no poder), nas eleições autárquicas de 25 de outubro.

Licenciado em Ciência Política, vertente Estado e Administração Pública, pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, Portugal, tinha uma pós-graduação em Direito das Autarquias Locais, tendo também exercido a docência e, antes de ser presidente, foi também vereador da mesma autarquia.

Leia mais