Cabo Delgado: ONG regista 20 mortes em ataques recentes | Moçambique | DW | 19.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: ONG regista 20 mortes em ataques recentes

Centro para Democracia e Desenvolvimento elaborou relatório sobre ataques recentes na província moçambicana. Segundo a ONG, assistência humanitária em algumas áreas é insuficiente para as necessidades das vítimas.

Pelo menos 20 pessoas morreram durante os ataques mais recentes de rebeldes em Cabo Delgado, norte de Moçambique, segundo um levantamento do Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD) - uma organização não-governamental moçambicana.

"Nas últimas semanas, aldeias do litoral do distrito de Macomia foram alvo de ataques terroristas, com o saldo a apontar para pelo menos 20 pessoas assassinadas, dezenas de casas queimadas e vários produtos roubados", refere-se no documento datado de domingo.

Segundo o CDD, de 30 de setembro a 08 de outubro, "um grupo de terroristas ocupou o posto administrativo de Mucojo [na costa de Cabo Delgado] e a partir deste ponto fez várias incursões nas aldeias de Naunde, Darumba, Manica, Rueia, Goludo, Pangane, Nambo, Messano, Runho, Muituiro e na Ilha Mais".

Entre as vítimas mortais, há pelo menos dois membros das Forças de Defesa e Segurança moçambicanas, abatidos em Pangane, um dos pontos de comércio daquela zona costeira.

"Em Pangane, roubaram também barcos a motor, motores de embarcações e queimaram muitas casas. Os "al-Shabab" [nome que lhes é dado na região] usaram cinco barcos a motor para transportar os bens roubados e seguiram em direção a Mocímboa da Praia", contou um sobrevivente ao CDD.

Assistir ao vídeo 02:26

Cabo Delgado: Governo cria aldeia para deslocados em Metuge

Ponto de lançamento de ataques

Mocímboa da Praia é outra vila costeira que desde agosto está sob controlo dos insurgentes e fica a cerca de 60 quilómetros do local de implantação dos projetos de exploração de gás natural da região, o maior investimento privado em África.

Após a ocupação da vila, os rebeldes têm lançado ataques às ilhas vizinhas, no vasto arquipélago das Quirimbas, que se estende ao longo de toda a costa de Cabo Delgado.

A assistência humanitária na região não chega para as necessidades, notou o CDD, registando-se fome e eclosão de doenças diarreicas que já causaram a morte de pelo menos 10 pessoas em Matemo, uma das ilhas do arquipélago.

Ainda de acordo com a ONG, os mais recentes ataques provocaram uma nova vaga de deslocados que procuram segurança em distritos e províncias vizinhas, nomeadamente em Pemba, capital provincial, a sul da insurgência.

À praia de Paquite, naquela cidade, chegaram no sábado "cerca de 20 embarcações, transportando centenas de deslocados que fugiram dos ataques em Mucojo, no distrito de Macomia", notou o CDD, que cita estimativas de que o número de deslocados, só em Pemba, pode chegar a 80 mil.

Ao todo, o Governo moçambicano e as organizações de socorro, nomeadamente as agências das Nações Unidas, apontam para um total de 300.000 deslocados devido ao conflito armado de Cabo Delgado.

Há diferentes estimativas para o número de mortos, que vão de mil a 2 mil vítimas.

Assistir ao vídeo 01:20

Centenas de deslocados chegam ao norte de Moçambique

 

Leia mais