Cabo Delgado: O conflito não se ganha com população hostil, diz Forças Armadas | Moçambique | DW | 15.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: O conflito não se ganha com população hostil, diz Forças Armadas

O vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) alertou que o Estado não irá ganhar o conflito armado em Cabo Delgado, se a população for hostil às forças governamentais.

Mosambik | Moeda Cabo Delgado | Streitkräfte

Exército moçambicano

Falando num encontro nesta segunda-feira (15.02.) com militares destacados no distrito de Macomia, um dos atingidos pelos grupos armados na província nortenha de Cabo Delgado, o vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), Bertolino Capitine, afirmou: "Podemos ter canhões de último grito, mas se a população é hostil ao Estado moçambicano, não haverá vitórias".

O oficial avançou que as FADM devem manter o empenho na erradicação do "terrorismo" em Cabo Delgado, assinalando, sem concretizar, que "o momento já chegou". 

"O momento já chegou para destruirmos os 'contra- pátrias', as condições já estão criadas, aquilo que nós precisávamos para fazer face ao terrorismo já recebemos", enfatizou, sem especificar.

Honrar Eugénio Mussa

O vice-chefe do Estado-Maior General referiu que a derrota dos "terroristas" será uma forma de honrar o chefe do Estado-Maior General das FADM, Eugénio Mussa, que morreu há uma semana vítima de doença.

Mosambik Flüchtlinge vor Angriffen in Cabo Delgado in Metuge untergebracht

Violência armada em Cabo Delgado já provocou mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados internos

Eugénio Mussa disse em dezembro do ano passado que 2021 seria um "ano decisivo para resolver o pendente" em Cabo Delgado, derrotando os "contra-pátria".

A referência do vice-chefe do Estado-Maior General à necessidade de as FADM manterem relações saudáveis com a população dos distritos afetados pela violência armada em Cabo Delgado ganha importância num contexto em que as forças governamentais têm sido acusadas de cometer abusos contra civis, atraindo a antipatia das comunidades na região.

A violência armada na província nortenha de Moçambique, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico desde 2019.

Assistir ao vídeo 03:00

Cabo Delgado: Governo moçambicano realoja deslocados internos

Leia mais