Cabo Delgado: Ministra diz que dificuldade de apoio da SADC é ″enigma preocupante″ | Moçambique | DW | 21.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: Ministra diz que dificuldade de apoio da SADC é "enigma preocupante"

Ministra sul-africana vê "incapacidade" dos países da África Austral para uma solução conjunta à violência no norte de Moçambique. "Pretória encetou todos os esforços", mas "não foi possível concretizar o apoio".

Naledi Pandor

Ministra Naledi Pandor

A ministra das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, Naledi Pandor, considera preocupante a "incapacidade" dos países da África Austral para encontrar uma solução conjunta para a violência armada no norte de Moçambique.   

"A situação em Moçambique e a nossa incapacidade como SADC [Comunidade de Desenvolvimento da África Austral] em acordar o tipo de apoio conjunto que poderemos providenciar continua a ser um enigma muito preocupante para nós, o Governo sul-africano", declarou Naledi Pandor. 

A chefe da diplomacia sul-africana sublinhou que Pretória "encetou todos os esforços possíveis junto do Governo de Moçambique e para delinear em conjunto uma agenda de apoio", mas até ao momento ainda não foi possível "concretizar exatamente a natureza do apoio" que deverá ser dado ao Governo moçambicano, "seja através da polícia, dos serviços de informação, ou mesmo através das Forças Armadas".

Pandor explicou ainda que a SADC vai realizar uma cimeira especial sobre "as incursões que temos acompanhado naquele país e as várias ações terroristas" na província de Cabo Delgado, onde a violência armada está a provocar uma crise humanitária com cerca de 2 mil mortes e 560 mil pessoas deslocadas.

Mosambik | Palma Cabo Delgado | Kommando Spezialkräfte

Tropas moçambicanas em Cabo Delgado

Estamos muito preocupados com a situação humanitária em Cabo Delgado, e recebemos um pedido da Cruz Vermelha em Moçambique para a África do Sul enviar ajuda humanitária de emergência, estamos a considerar os parcos meios de que dispomos e espero que através do Fundo de Renascença Africana possamos prestar alguma ajuda", explicou a ministra sul-africana.

Naledi Pandor falou esta quarta-feira (20.01) numa videoconferência promovida pelo instituto de política internacional britânico Chatham House, com sede em Londres, sobre o papel regional e global da África do Sul.

Em dezembro de 2020, a África do Sul concluiu o terceiro mandato como membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas e em fevereiro deste ano termina a presidência de 12 meses da União Africana.

A violência armada na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico desde 2019.

Assistir ao vídeo 03:00

Cabo Delgado: Governo moçambicano realoja deslocados internos

Leia mais