Cabo Delgado: Intervenção estrangeira continua eficaz? | Moçambique | DW | 04.02.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: Intervenção estrangeira continua eficaz?

Insurgentes voltam em força para áreas de seu anterior domínio, pondo em causa a "limpeza" das forças conjuntas. Investigadores sugerem cuidado na avaliação da presença do Ruanda face à organização dos insurgentes.

A imprensa e plataformas de investigação noticiam que, a 2 de fevereiro, Matemo foi atacado por insurgentes; a 27 e 28 de janeiro atacaram Meluco e a 26, 18 e 15 de janeiro foi a vez de Macomia.

Os relatos são de assassinatos por esquartejamento, sequestros de mulheres e crianças, saques e destruição. São algumas das ações insurgentes que voltaram a ser o pão de cada dia em Cabo Delgado, cerca de seis meses após o começo da pujante intervenção militar ruandesa e da Missão Militar da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral em Moçambique (SAMIM).

O académico Elísio Macamo lembra que "houve uma altura em que dava para dizer que o Ruanda estava a ter bons resultados em Cabo Delgado, e até certo ponto esses resultados são melhores do que os resultados que as nossas forças de Defesa e Segurança tiveram ao longo de quatro anos".

Mas hoje nascem dúvidas sobre o "brilho" de tais forças, no entender de Macamo: "Neste momento não sabemos como está a situação lá. Já há notícias a dar conta de insurgentes nas províncias vizinhas. Neste momento devemos ter cuidado em relação à forma como avaliamos a presença do Ruanda naquela região e conflito."

Kigali, Ruanda | Soldaten aus Ruanda auf dem Weg nach Mozambique

Soldados ruandeses em Cabo Delgado

"A insurgência está bem organizada"

A insegurança volta a repelir a população de locais recentemente recuperados pelas forças conjuntas, sinalizando um recuo nas suas conquistas. Ao mesmo tempo, notícias recentes indicam baixas entre os insurgentes, inclusive entre a sua liderança, bem como a apreensão do seu material bélico. Entretanto, a especialista em contra-terrorismo Jasmine Opperman alerta para as valências dos atacantes.

"A insurgência está bem organizada, tem a sua própria estrutura e estão a apostar mais numa estratégia holística. Estamos para além da fase em que os assassinos andam de um lado para o outro a criar só confusão. Eles fixaram objetivos claros. Um deles é um sério sentimento anti-Governo", argumenta.

Institucionalização do EI em Cabo Delgado

Além da tardia resposta musculada dos insurgentes, paira sobre Moçambique o risco de ver o apoio militar externo ser amputado paulatinamente - é que os membros da SADC andam de bolsos vazios. Por exemplo, de acordo com a plataforma de pesquisa Cabo Ligado, o Lesoto fez saber na última semana que poderá retirar as suas tropas da SAMIM antes do fim da missão, em março. Alega que não tem dinheiro para continuar a pagar os subsídios, nem para a comida dos soldados.

Mosambik Pemba | Offiziele Veranstaltung Militär

Tropas da SADC em Cabo Delgado

O Lesoto é o quarto maior contribuinte da SAMIM, com 11% dos soldados, para além de disponibilizar cinco aeronaves para operações.

A plataforma Cabo Ligado entende que a retirada do país da missão teria um impacto significativo para o distrito de Nangade, onde atuam ao lado das forças moçambicanas e tanzanianas. 

É neste contexto de medição de forças que o perigo se enraíza no norte de Moçambique, lembra Opperman: "O Estado Islâmico [EI] vai além do oportunismo. Estamos a assistir à sua institucionalização em Cabo Delgado. É um perigo ignorar isso. Acho que é tempo das contra-forças, SAMIM, Ruanda e Moçambique, se sentarem e constatarem a ameaça que enfrentam, não só para Moçambique, mas também para a região."

Por exemplo, o ataque a Meluco, a 28 de janeiro, foi reivindicado pelo Estado Islâmico.

Cabo Delgado: Deslocados regressam às aldeias de origem

Leia mais