Cabo Delgado: Governo tenta reverter taxa de HIV mais alta do norte de Moçambique | Moçambique | DW | 01.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: Governo tenta reverter taxa de HIV mais alta do norte de Moçambique

Em Cabo Delgado, no norte de Moçambique, há cerca de 170 mil pessoas com HIV/SIDA. A prevalência do vírus na província aumentou para 13,8% em 2018 – é a taxa mais alta em toda a região norte.

O Governo provincial está preocupado com o aumento do HIV/SIDA em Cabo Delgado e quer reverter o cenário. Por isso, lançou uma campanha de comunicação sobre as medidas profiláticas.

Todos os dias, no centro de saúde do bairro de Natite, na cidade de Pemba, técnicos de saúde e ativistas desdobram-se em palestras sobre diversas doenças. Desta vez, o tema foi como evitar a infeção pelo HIV, o vírus da imunodeficiência humana.

Cerca de 170 mil pessoas vivem com o vírus na província de Cabo Delgado. Apontam-se fenómenos culturais e comportamentais para as elevadas taxas de prevalência de HIV.

Teles Jemusse

Teles Jemusse, secretário-executivo do CPCS

Teles Jemusse, secretário executivo do Conselho Provincial de Combate ao HIV/SIDA, em Cabo Delgado, chama a atenção para outra causa: a falta de informação: "Quando vamos a alguns pontos da província deparamo-nos com gente que não acredita que o HIV existe. Gente que faz perguntas como: 'HIV existe mesmo? Mas isso é verdade?' Efetivamente é importante continuarmos a falar do HIV. Muitas pessoas não têm o conhecimento relevante".

É o caso de Júlio António, residente de Pemba: "Costumo ouvir sobre HIV/SIDA, mas o que significa eu não sei. Sobre preservativo é isso que estou a dizer, não sei como é que se usa".

Ukumi contra o HIV

Reconhecendo a falta de informação entre a população sobre o HIV/SIDA, o Executivo provincial está a promover uma campanha de comunicação em massa contra a epidemia, denominada "Ukumi Cabo Delgado Luta contra o HIV/SIDA".

O objetivo é dotar as comunidades de conhecimentos sobre as formas de transmissão e prevenção da doença, impulsionar a testagem voluntária do HIV e reduzir o estigma e a discriminação associados à enfermidade.

Ouvir o áudio 02:26

Cabo Delgado: Autoridades intensificam combate ao HIV/SIDA

"Com esta campanha, queremos que as pessoas comecem a transformar o conhecimento em hábitos e comportamentos tendentes a reduzir novas infeções, abandono do tratamento, promovendo modos de ser e estar positivos em relação à pandemia do HIV/SIDA", sublinha o governador de Cabo Delgado, Júlio José Parruque.

As mensagens da campanha "Ukumi" são disseminadas através de palestras, música, teatro, spots radiofónicos e televisivos e outros meios. É dada atenção especial aos adolescentes, jovens e mulheres, considerados a camada mais vulnerável.

Segundo dados do setor da saúde, dos 100 mil pacientes inscritos só cerca de 60 mil seguem com regularidade o tratamento anti-retroviral. O que leva ao abandono dos tratamentos?

O nutricionista Ali Juma tem uma explicação: "Temos instituições que estão a trabalhar na área de HIV/SIDA, mas estão mais preocupados com entrega dos anti-retrovirais, não com a questão nutricional dos pacientes. Então, eu propunha que existisse uma cesta básica ou os pacientes passassem em consultas de nutrição para acompanhar o tratamento anti-retroviral com a alimentação".

A província de Cabo Delgado tem 126 unidades sanitárias, onde está disponível o tratamento anti-retroviral, de forma gratuita.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados