Cabo Delgado ″com cada vez mais casos de violações dos direitos humanos″, diz ACNUR | Moçambique | DW | 05.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado "com cada vez mais casos de violações dos direitos humanos", diz ACNUR

Os recentes ataques no norte de Moçambique estão a provocar uma nova onda de deslocados internos no país. O ACNUR fala em aumento das violações dos direitos humanos que afetam sobretudo mulheres e crianças.

O norte de Moçambique não está a conseguir dar resposta às necessidades dos deslocados internos que fogem dos ataques terroristas na região. A cidade de Pemba, em Cabo Delgado, recebeu recentemente uma nova vaga de deslocados que obrigou as organização não-governamentais a redobrarem esforços para evitar uma nova catástrofe humanitária. 

As organizações no local estimam que haja mais de 400.000 mil pessoas deslocadas pela violência na província moçambicana de Cabo Delgado.

A DW África conversou com Juliana Ghazi, responsável do departamento de relações públicas do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que atua na província, sobre a crise. 

DW África: Que desafios para o ACNUR traz a nova vaga de refugiados internos que Pemba assiste?

Juliana Ghazi (JG): A situação em Cabo Delgado é maioritariamente uma crise de proteção com cada vez mais casos de violações dos direitos humanos. À medida que o conflito se intensifica, existe a tendência de que múltiplos deslocamentos ocorram. O ACNUR tem falado com famílias que tiveram de abandonar as suas casas, andar por muitos dias, chegar a uma nova vila e ainda assim sofrer novos ataques nesses lugares. 

Mosambik I Nahrungsmittelknappheit in Cabo Delgado

Organizações locais tentam distribuir comida e bens materiais pelas populações mais afetadas pelos deslocamentos internos

Nesse contexto os maiores desafios estão na sua maioria relacionados com problemas de proteção e violação dos Direitos Humanos em Cabo Delgado e nas províncias perto que também estar a acolher deslocados internos.

Existe a preocupação por parte do ACNUR de aumentar a entrega de serviços e sistemas que realmente providenciem apoio para essas pessoas deslocadas e para outras que tenham sido impactadas pela violência.
 
DW África: Algumas organizações acreditam que a situação esteja à beira de uma catástrofe humanitária. O ACNUR também prevê esse cenário?

JG: A violência em Cabo Delgado tem-se intensificado ao longo dos últimos anos, principalmente através de ataques reivindicados por grupos armados não estatais. Essa situação aumentou o número de deslocados internos, bem como as necessidades desse grupo. O ACNUR continua extremamente preocupado com a violência e com as violações dos direitos humanos que recaem sobre esses cidadãos e que particularmente afetam crianças e mulheres que são a maior parte dos deslocados no país.

DW África: Muitas famílias têm ajudado os deslocados dando-lhes abrigo. Como é trabalhar com esse grupo?

JG: Estima-se que 90% dos deslocados internos estão a ser abrigados por parentes ou amigos. Muitas dessas comunidades que estão a abrigar os deslocados internos estão a lidar com as consequências do ciclone Kenneth que se abateu sobre a região em abril de 2019.

Existem poucos recursos para ser partilhados, por isso há muitos problemas de sobrelotação. Há casas que abrigam 20 a 30 pessoas no mesmo espaço, o que gera problemas relacionadas com a saúde, particularmente nesta fase de pandemia da Covid-19. O ACNUR tem respondido às necessidades dos deslocados internos e também das comunidades locais, por exemplo com a distribuição de material, como tendas, colchões, utensílios de cozinha, redes de mosquito, baldes de água, entre outros. 

Leia mais