Cabinda: Governo provincial não autoriza marcha prevista para este sábado | Angola | DW | 28.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Cabinda: Governo provincial não autoriza marcha prevista para este sábado

Na sexta-feira, Governo provincial anunciou não ter autorizado a realização da marcha. Entretanto, organizadores mantiveram o convite para a manifestação prevista para este sábado.

Angola Stadt Cabinda

Vista parcial do centro de Cabinda

A marcha convocada por um grupo de ativistas defensores dos direitos humanos e membros da sociedade civil da província angolana de Cabinda não foi autorizada pelo Governo da província, na sexta-feira (27.11), dada a atual situação da pandemia de Covid-19.

"Dada a situação da pandemia da Covid-19 consubstanciado com o decreto presidencial vigente, não autorizamos a referida marcha", dá conta um ofício do gabinete do governador de Cabinda, a que a agência Lusa teve acesso.

Mas os organizadores mantiveram o convite para a manifestação deste sábado (28.11) "por ser um direito consagrado na Constituição, não podendo existir uma desigualdade ou discriminação para Cabinda".

A marcha tem por objetivo contestar a "degradação social, económica" e da saúde pública "sem precedente" e está prevista para iniciar pelo largo Primeiro de Maio, em Cabinda. 

O movimento pretende percorrer a avenida Duque de Chiazi e terminar junto do pavilhão multiúsos da cidade.

Demandas dos manifestantes

Numa carta dirigida ao governador da província de Cabinda, subscrita por 42 pessoas e divulgada na quarta-feira (25.11), os manifestantes referiram que a situação sobre a qual pretendem protestar "perdura há 45 anos", sem que o Governo tenha cumprido as suas garantias e promessas de intervenção.

O desemprego, a pobreza profunda, as mortes devido à fome, os constrangimentos ou impedimentos da liberdade de expressão, da cidadania, os julgamentos e condenações injustas e outros direitos fundamentais constam da lista de problemas sobre os quais se querem manifestar.

Os promotores da manifestação salientam no documento que vão exigir igualmente o diálogo "para a pacificação do território de Cabinda".

Em declarações à agência Lusa, o advogado e ativista de direitos humanos de Cabinda Arão Tempo disse, na quarta-feira, que vai participar na manifestação por considerar justas as reclamações, sublinhando que há 45 anos que "o povo de Cabinda se encontra à deriva".

Arão Tempo sublinhou que há pessoas a morrer de fome em Cabinda, há repressão e faltam estruturas sanitárias.

Assistir ao vídeo 00:51

Angola: Polícia reprime protestos em Luanda

Leia mais