Bissau: Viagens de Sissoco ao exterior ″sem resultados concretos″ para o povo | Guiné-Bissau | DW | 11.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Bissau: Viagens de Sissoco ao exterior "sem resultados concretos" para o povo

Desde que Umaro Sissoco Embaló chegou à Presidência guineense, há pouco mais de um ano, fez mais de 70 viagens ao exterior (ao interior fez menos de cinco). Analista diz que são "viagens de turismo" pagas por todos.

Umaro Sissoco Embaló. Foto: janeiro de 2020

Umaro Sissoco Embaló. Foto: janeiro de 2020

Com as visitas dos Presidentes de Portugal, São Tomé e Príncipe e do Sudão, todas previstas para este mês, 12 chefes de Estado terão visitado a Guiné-Bissau em 15 meses de presidência de Umaro Sissoco Embaló. Marcelo Rebelo de Sousa visita a Guiné-Bissau nos dias 17 e 18 de maio para avaliar o nível da parceria bilateral entre Portugal e a Guiné-Bissau.

O país exerce também uma forte diplomacia de proximidade junto dos seus parceiros sub-regionais nos domínios da migração, luta contra o terrorismo e combate ao crime organizado. 

Através do que o próprio chama de "diplomacia agressiva", o chefe de Estado guineense fez mais de 70 viagens ao exterior e menos de cinco ao interior da Guiné-Bissau desde que tomou posse, em fevereiro de 2020.

Guinea-Bissau Bissau | Jorge Carlos Fonseca, Kap Verde & Umaro Sissoco Embaló

Visita do Presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, a Bissau em janeiro de 2021

Em contrapartida, o país recebeu a visita oficial de 18 ministros dos Negócios Estrangeiros e abriu três novas embaixadas, na Turquia, Qatar e Arábia Saudita. Entretanto também abriram embaixadas na Guiné-Bissau - Cabo Verde e Marrocos - e está prevista para breve a abertura das embaixadas da Índia, Turquia e Qatar, segundo um documento oficial do Estado guineense consultado pela DW África.

As viagens do Presidente guineense chamaram mais a atenção por ser em jato privado e em plena pandemia, quando o país se deparava com uma onda de greves na Função Pública. Os críticos dizem que o chefe de Estado deveria visitar também o interior do país para constatar "in loco" a situação em que se encontram as comunidades desfavorecidas.

"Tenho desenvolvido ações diplomáticas no sentido de reaproximar mais a Guiné-Bissau dos seus parceiros, no quadro dos princípios de respeito mútuo, com o propósito de construir um clima de confiança e de credibilidade recíproca entre os nossos países", defendeu o Presidente guineense em março. A sua intenção é "resgatar a soberania e mostrar que não há pequenos Estados" no concerto das nações.

A presidência alega que o chefe de Estado não tem ido ao interior do país devido às medidas restritivas impostas no contexto da pandemia, em cumprimento das recomendações do Alto Comissariado para a Covid-19.

Mas, em entrevista à DW África, o professor e ativista político Sumaila Jaló diz que a tal diplomacia agressiva não está a mudar a vida dos guineenses e assinala que o país está a viver uma grande crise social.

DW África: O que pensa sobre esta "diplomacia agressiva" de Sissoco Embaló?

Sumaila Jaló (SJ): É preciso que os guineenses saibam que, entre as estratégias populistas de Umaro Sissoco Embaló e seu Governo, é usado dinheiro dos impostos do povo da Guiné-Bissau para estas visitas e viagens ao exterior. Não basta que os presidentes de outros países visitem a Guiné-Bissau, assim como não basta que o Presidente guineense visite outros países. É verdade que a diplomacia e a relação entre os Estados e os povos é importante para o desenvolvimento de qualquer país do mundo, mas é preciso haver uma relação concreta entre estas viagens e políticas para o desenvolvimento da Guiné-Bissau.

Assistir ao vídeo 02:22

Guiné-Bissau inicia vacinação contra a Covid-19 em plena greve da Saúde

DW África: Estas viagens não têm impacto direto na melhoria das condições de vida das populações?

SJ: Quando temos um Orçamento Geral com um défice que é financiado pela ajuda externa, com as despesas do Estado a serem financiadas pela ajuda externa e com cada uma destas viagens do Presidente da República a custar milhões aos cofres do Estado, quais são as consequências para a vida dos guineenses? Isso é que nos interessa. O que é que essas cooperações trazem de benéfico para o processo de desenvolvimento do país? Não encontramos neste momento uma resposta para isso.

DW África: Mas estas visitas não mostrarão que o país tem estabilidade e é credível, ajudando a atrair investimento externo?

SJ: Para quem acha que há estabilidade no país, basta olhar para o número de jornalistas sequestrados e espancados em apenas um ano de presidência de Umaro Sissoco Embaló e da [nova] governação. Olhemos também para quantos ativistas e cidadãos comuns foram sequestrados e espancados por polícias e agentes de segurança do Presidente da República. Pensemos também em quantas manifestações pela educação e saúde pública foram dispersadas violentamente, com manifestantes e cidadãos agredidos pelas forças de segurança. Pensemos igualmente nos deputados espancados e sequestrados.

Não estamos num país estável. Estamos num país em que o populismo ganha terreno todos os dias, em que se fala muito, em que se viaja muito e em que se gasta muito dinheiro do erário público, mas na prática não vemos qualquer mudança na vida do povo. As escolas não funcionam, há hospitais sem oxigénio, a Função Pública está paralisada há mais de cinco meses, com salários em atraso. Quando não encontramos essa tal 'diplomacia agressiva' ligada a um plano 'macro' para o desenvolvimento do nosso país, estamos apenas a falar de viagens de turismo. Estamos a falar de viagens em que se gastam milhões e não temos resultados concretos.

Assistir ao vídeo 03:27

Esta é a minha cidade: Bissau

Leia mais