Bastonária dos médicos angolanos destituída por ″má gestão″ | Angola | DW | 17.10.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Bastonária dos médicos angolanos destituída por "má gestão"

A bastonária da Ordem dos Médicos de Angola, Elisa Pedro Gaspar, foi destituída do cargo pelos profissionais da classe, que estavam revoltados com a sua gestão.

A decisão foi tomada na assembleia-geral extraordinária realizada neste sábado (17.10), em Luanda, convocada pelo Conselho Regional Norte da Ordem de Médicos de Angola.

Os associados manifestaram o seu desagrado com o desempenho da bastonária, que se agudizou com as "recentes ocorrências graves", como o "não alinhamento aos interesses da classe", a "falta de transparência na gestão dos recursos da Ordem" e as "denúncias de má gestão financeira".

Elisa Gaspar é acusada de desviar 19 milhões de kwanzas (cerca de 27 mil euros) e bens patrimoniais.

Depois de aceso debate, a assembleia geral extraordinária da Ordem dos Médicos deliberou a destituição com efeito imediato da bastonária Elisa Pedro Gaspar, a constituição de um comissão de gestão que terá a responsabilidade de tratar dos assuntos correntes organização e também promover novas eleições (que deverão ser realizadas dentro de 90 dias)

A comissão de gestão recém-criada, será constituída por cinco profissionais.

Comissão de inquérito

Angola Luanda | Konferenz zu Covid-19 & Thema Elisa Pedro Gaspar | Arzt Pedro Rosa

Médico Pedro da Rosa

No comunicado final apresentado pela médica Arlete Luiele, a classe médica anunciou a constituição de uma comissão de inquérito que terá a responsabilidade de analisar a alegada gestão danosa de Elisa Gaspar, com a "realização de uma auditoria independente, por órgão externo, às contas da Ordem dos Médicos da República de Angola".

Para o secretário-geral do Sindicato dos Médicos de Angola (SINMEA), Pedro da Rosa, isso demonstra a união dos profissionaisde saúde.

"Foi um exercício de verdadeira cidadania. Hoje, a classe médica mostrou que realmente está unida e sabe o que quer. A bastonária não se revia na nossa causa. Ela não estava connosco desde a sua eleição. E, por isso, a classe julgou substituí-la por alguém que realmente mostre que deve atender as preocupações da classe médica", disse Pedro da Rosa.

Caso Sílvio Dala

Angola Luanda | Konferenz zu Covid-19 & Thema Elisa Pedro Gaspar | Katiana Antas, Ärztin

Médica Katiana Antas

O facto de Elisa Gaspar se demarcar da marcha convocada pelo Sindicato Nacional dos Médicos (SINMEA) em homenagem a Sílvio Dala, pediatra que morreu em setembro na sequência de uma intervenção policial, motivou vários profissionais a votar a favor da sua destituição.

É o que pensa a médica do Hospital Américo Boa Vida, Katiana Antas: "É isso que esperava, porque não se solidarizou com a perda da classe médica, com a morte do nosso colega Dr. Sílvio Dala. E também consoante provas que surgiram também sobre a má gestão dela enquanto bastonária", sublinhou.

O neurologista Job Monteiro espera que a nova direção da Ordem dos Médicos de Angola afirme que a destituição de Elisa Gaspar é uma "chamada de atenção" para os próximos gestores da instituição de que devem representar os interesses da classe.

"O novo gestor da Ordem deve ser representativo e estar ao lado da classe. Precisa gerir e organizar de forma mais transparente para que a classe, de facto, consiga justificar aquilo à sociedade que precisa de nós".

A assembleia-geral extraordinária da Ordem dos Médicos de Angola contou com a presença de mais de 50 médicos na sala de conferência de uma unidade hoteleira de Luanda. 4.026 médicos subscreveram a deliberação. Pela plataforma Zoom participaram 408 profissionais da classe.

Assistir ao vídeo 01:52

Médicos angolanos em protesto

Leia mais