Baixas na guerra colonial são maiores do que se pensava | NOTÍCIAS | DW | 09.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Baixas na guerra colonial são maiores do que se pensava

Além das 10 mil baixas de militares, mais de 45 mil civis e agentes de movimentos independentistas teriam sido mortos. "Os Números da Guerra de África", de Pedro de Sousa, contrariam os dados oficiais.

Portugiesischer Kolonialkrieg

Soldados portugueses em Angola, 1962

Pela primeira vez, são revelados os números das baixas de militares portugueses na guerra colonial, baseados nos relatórios dos três ramos das Forças Armadas que participaram no conflito armado em Angola, Moçambique e Guiné-Bissau.

Mais de 10 mil militares portugueses perderam a vida nas três frentes de guerra em África, entre 1961 e 1975. Esses dados contrariam os números oficiais que, até aqui, apontavam para mais de oito mil os homens mortos no então Ultramar.

Essas informações são resultado de uma investigação encetada por Pedro Marquês de Sousa, doutorado em História pela Universidade Nova de Lisboa. O tenente-coronel do Exército português diz que o ponta pé inicial da sua pesquisa foi a desconfiança de achar baixo o número de óbitos de militares.

O historiador também investigou o número de baixas da população civil e dos movimentos independentistas e afirma que, "seguramente, de acordo com os dados, existem mais de 45 mil mortos” em decorrência do conflito.

Pedro Marquês de Sousa

Pedro Marquês de Sousa, historiador e tenente-coronel do Exército português

Equipamentos de traídores

Essas informações estão compiladas no livro "Os Números da Guerra de África”. Além desses dados, os números de armamentos, desertores e as despesas que Estado português teve com o confronto também podem ser ali encontradas.

O militar também remete-nos para um estudo científico da Universidade de Coimbra que aponta que, em consequência da guerra, terá havido cerca de 9 mil desertores. Só até 1966 foram cerca de 4.5 mil traidores, sendo a maioria registrados em Angola.

O autor diz que esta abordagem tem a ver realmente com a quantidade de equipamentos, meios navais, meios aéreos, armas, aquilo que foi utilizado: "Temos também a ideia das dificuldades que o aparelho militar português teve em termos de desgaste, dificuldades de manutenção, dificuldades de pessoas. É, realmente, um trabalho feito na perspetiva do historiador militar". 

Buch The Numbers of War von Os Números da Guerra de África”.

Livro "Os Números da Guerra de África” de Pedro Marquês de Sousa

Investigação precisa continuar

O tenente-coronel português, que tinha 6 anos quando aconteceu a Revolução do 25 de abril de 1974, faz parte da geração que não viveu a guerra. Para o autor, este trabalho presente da Feira do Livro de Lisboa é mais um contributo para a melhor compreensão e conhecimento desse período da História de Portugal e dos Países Africanos de Língua Oficial.

Ele encoraja também as universidades a buscar saber mais sobre o assunto, para manter a memória viva. "Eu calculo que seja muito difícil ainda hoje para os povos irmãos de África – os novos países – também terem pesquisas deste género. Mas era bom que houvesse um esforço para se confrontarmos, para chegarmos a um nível de conhecimento melhor”, afirma.

Assistir ao vídeo 09:18

"Tenho muita honra em ter participado na descolonização"

 

Leia mais