Autarquia de Mocímboa da Praia acusada de ″ameaçar″ funcionários fugitivos | Moçambique | DW | 11.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Autarquia de Mocímboa da Praia acusada de "ameaçar" funcionários fugitivos

A organização não-governamental Centro para Democracia e Desenvolvimento (CDD) acusa o Conselho Municipal de Mocímboa da Praia de dar "10 dias para que os funcionários regressem", sob pena de sofrerem consequências.

Numa nota distribuída à comunicação social, o CDD, que cita um despacho assinado pelo autarca de Mocímboa da Praia, Cheia Carlos Momba, refere que o conselho municipal deu um prazo de 10 dias para que todos os funcionários regressem ao município, sob pena de sofrerem medidas administrativas.

Mosambik | Adriano Nuvunga | Direktor des CDD

Adriano Nuvunga, Diretor da CDD

"Esta não é a primeira vez que as autoridades locais dos distritos afetados pela extrema violência no norte de Cabo Delgado convocam funcionários para se apresentarem às respetivas instituições, sob pena de serem sancionados", acrescenta-se na nota do CDD. 

Ainda sem condições para o regresso

A organização não-governamental entende que a vila não dispõe ainda de condições de segurança para o regresso das comunidades, lembrando a ocorrência de ataques recentes confirmados pelas autoridades que ocorrem em distritos próximos, como Nangade e Macomia, que ficam a 143 quilómetros e 131 quilómetros da sede de Mocímboa da Praia, respetivamente. 

O CDD critica ainda o regresso de cerca de 1.500 pessoas às suas casas na localidade de Auasse, também na vila da Mocímboa da Praia. Mocímboa da Praia está situada 70 quilómetros a sul da área de construção do projeto de exploração de gás natural, em Afungi, Palma, conduzido por várias petrolíferas internacionais e liderado pela Total. A Lusa tentou, sem sucesso, contactar o autarca. 

Mosambik | Cabo Delgado Provinz

Rasto de destruição em Cabo Delgado

Quase tudo por reconstruir

Após mais de um ano nas "mãos" de rebeldes, Mocímboa da Praia, uma das poucas zonas urbanas do norte da província de Cabo Delgado, foi saqueada e quase todas as infraestruturas públicas e privadas foram destruídas, bem como os sistemas de energia, água, comunicações e hospitais. 

No total, cerca de 62 mil pessoas, quase a totalidade da população, abandonaram a vila costeira devido ao conflito nos últimos quatro anos, com destaque para as fugas em massa que ocorreram após a intensificação das ações rebeldes em junho de 2020.  

Há 784 mil deslocados internos devido ao conflito, de acordo com a Organização Internacional das Migrações (OIM), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED. 

Desde julho de 2021, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), permitiu recuperar zonas onde havia presença de rebeldes, mas a fuga destes tem provocado novos ataques noutros distritos usados como passagem ou refúgio temporário.

 

Leia mais