Ativistas denunciam desvios no combate à fome no sul de Angola | Angola | DW | 22.02.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Ativistas denunciam desvios no combate à fome no sul de Angola

A região sul de Angola continua a ser assolada pelo fome e desnutrição, apesar das chuvas. Ativistas relatam que os apoios enviados pelo Governo são desviados e as pessoas continuam a morrer.

Fome no sul de Angola prevalece apesar das chuvas

Fome no sul de Angola prevalece apesar das chuvas

A fome e a seca no sul de Angola deixaram de ser notícia com a chegada da chuva que cai sobre as regiões afetadas. Entretanto, engana-se quem pense que a situação conheceu melhorias. 

Segundo Domingos Fingo, diretor-executivo da Associação Construindo Comunidades, ainda não há produtos resultantes do presente ano agrícola que possam saciar a fome da população.

Trockenheit im Süden Angolas

A fome afeta a população e os animais no sul de Angola

"As pessoas pensam que pelo simples facto de estar a cair chuva que neste momento a realidade da fome e da seca na região sul de Angola e substancialmente na dos Gambos está ultrapassada. Não. Não é isso, porque neste momento as comunidades estão a cultivar e os produtos resultantes do cultivo só estão disponíveis a partir de maio ou junho", alertou.

Por isso, Domingos Fingo entende que o apoio às vitimas não deve parar. "O espírito de solidariedade para com as vítimas da seca, da fome e da desnutrição deve continuar até que haja condições de suporte dos produtos que poderão ser retirados do campo. A solidariedade de todos nós exige-se enquanto não chegar à altura das colheitas que se impõem na região", disse.

Desvios

O combate à fome no sul do país começou a ganhar força na agenda do Governo com a visita do Presidente angolano à região em maio do ano passado. João Lourenço deslocou-se em duas das três províncias mais afetadas pela fome: Namibe e Cunene. Não tardou, o país mobilizou-se em apoiar as vítimas.

Ouvir o áudio 03:48

Ativistas denunciam desvios no combate à fome no sul de Angola

Entretanto, a ajuda material e financeira já dada, quer pelo Estado, quer por organizações sociais, tem conhecido destino incerto. A 18 de fevereiro deste ano, o padre Pio Wakussanga, residente na região dos Gambos, província da Huíla, outra zona fortemente afetada pela fome, questionou no seu perfil no Facebook: "Ide para o interior junto de comunidades afetadas. Perguntem quantas vezes receberam os referidos apoios", escreveu na rede social. 

O ativista dos direitos humanos escreve em maiúsculo a palavra "NIET" para acentuar o suposto desvio dos bens. "NIET", em português em Angola, significa "nada ou não". Ou seja, "há uma nuvem negra de incertezas e hiatos nesse quesito!", desabafou Pio Wakussanga.

"A provar-se o descaminho desses dinheiros, tal contribuiu para a morte de muitas pessoas", acrescentou o padre na sua publicação, que foi retomada por vários internautas.

Morte de pessoas e animais

Há também relatos de morte de pessoas e gado no Namibe, Cuando Cubango e Cunene. Sem precisar o número de mortes por fome e desnutrição, Domingos Fingo, confirma: "Existem familiares que estão a perder os seus entes queridos por causa da fome. Eu pessoalmente fui surpreendido por duas famílias a solicitar-me apoio. Quando vi a natureza física das pessoas que me contactaram fiquei extraordinariamente indignado com a realidade".

Por isso, Wakussanga pede à Presidência da República que faça um esclarecimento público sobre que tipos de ajudas o Governo central disponibilizou.

Trockenheit im Süden Angolas

A região dos Gambos, província da Huíla, é fortemente afetada pela fome

Não é apenas na região dos Gambos onde há relatos de desvio de apoios. No Cunene, a província mais afetada com mais de 800 mil vítimas e mais de um milhão de cabeças de gado de várias espécies, também há registo de desvios. Isso terá estado na base da exoneração do ex-governador provincial Virgílio Tchova. O antigo governante está ser investigado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola.

O problema da seca e da fome na região sul de Angola acentuou-se em 2011. Agora a situação estende-se a outras regiões do país, como o Cuando Cubango. No leste de Angola, precisamente na província do Moxico, a fome também fustiga populares.

"O município mais afectado na província do Moxico é Buengas. A população recorre às matas para recolher os frutos silvestres para a sua alimentação. Lá, a seca está em alta e a população está a passar por momentos muito difíceis", denuncia o ativista Nelson Euclides, residente no Luena.

Segundo o ativista, o estado degradante das vias de comunicação vem agravar ainda mais a situação dos populares. "Há dificuldades de vias de acesso. E é um município que dista a mais de 200 quilómetros", diz.

 

Leia mais