Ativistas anglófonos condenados por ″terrorismo″ nos Camarões | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 26.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Ativistas anglófonos condenados por "terrorismo" nos Camarões

Entre os ativistas está um jornalista, condenado a 15 anos de prisão por "atos de terrorismo, hostilidade contra a pátria, secessão e insurreição". Defesa promete recorrer da decisão.

default

Protesto pela libertação dos ativistas anglófonos em Bamenda (setembro de 2017)

A Justiça dos Camarões condenou sete ativistas da minoria anglófona do país a penas de até 15 anos de prisão por rebelião e atos de terrorismo, informou o advogado de defesa dos acusados este sábado (26.05).

As autoridades detiveram o jornalista Mancho Bibixy e dezenas de ativistas no ano passado, como medida de repressão ao movimento independentista da região anglófona do país, que entrou em conflito com o Governo do Presidente Paul Biya.

De acordo a agência de notícias AFP, o tribunal militar em Yaoundé considerou Bibixy culpado, acusando-o de "atos de terrorismo, hostilidade contra a pátria, secessão, revolução e insurreição".

Segundo relatou à agência de notícias Reuters o advogado Claude Assira, um dos ativistas foi absolvido. Ainda de acordo com a defesa, a condenação dos outros seis ativistas, incluindo Bibixy, pode piorar o clima de tensão na região.

Além das penas de prisão, que variam de 10 a 15 anos, os seis condenados também devem pagar uma multa conjunta de 268 milhões de francos CFA (398 mil euros) e mais taxas legais. "A decisão é excessiva e inútil porque não resolverá o problema" da crise anglófona nos Camarões, disse Claude Assira, que afirmou à AFP que apelaria da decisão.

Crise na região anglófona

Kamerun Proteste

Repressão policial na região anglófona (outubro de 2017)

A minoria anglófona – que remonta ao período colonial e representa cerca de um quinto da população de 22 milhões de habitantes dos Camarões – há muito se queixa de sofrer discriminação nas mãos do Governo francófono.

O que começou como um movimento de protesto pacífico em 2016 por professores e advogados contra a percepção de marginalização da minoria de língua inglesa tornou-se um conflito armado no ano passado após a violenta repressão por parte das forças do Governo.

A repressão ajudou a alimentar o apoio a movimentos separatistas radicais, incluindo grupos armados com o objetivo de criar um Estado independente. Em outubro de 2017, foi declarada a independência simbólica da região.

Desde então, a violência entre rebeldes anglófonos armados e forças do Governo ocorre quase diariamente nas províncias rebeldes. Os sequestros tornam-se cada vez mais frenquentes, com autoridades, estrangeiros e locais visados.

Dezenas de milhares de camaroneses fugiram de represálias das forças do Estado para a vizinha Nigéria, e o embaixador dos Estados Unidos nos Camarões acusou na semana passada o Governo de Yaoundé de assassinatos seletivos, incêndios criminosos e saques. Mas o Governo nega essas alegações.

Leia mais