Ativista Paulo de Morais constituído arguido no caso ″vestidos de noiva″ | Angola | DW | 22.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Ativista Paulo de Morais constituído arguido no caso "vestidos de noiva"

O facto acontece na sequência da queixa-crime por difamação apresentada em Portugal por Bornito de Sousa, vice-presidente de Angola, e a sua filha Naulila Graça. Em causa estão supostos gastos elevados para um casamento.

Ativista Paulo de Morais

Ativista Paulo de Morais

Fonte ligada ao processo confirma que Paulo de Morais é arguido, ficando sujeito a termo de identidade e residência.

Os mandatários legais dos angolanos Bornito de Sousa e a filha Naulila Graça interpuseram uma queixa contra o ativista português, depois deste ter publicado na rede social Facebook e num canal de televisão comentários supostamente difamatórios a propósito da alegada aquisição de vestidos de noiva e acessórios de casamento por 200 mil dólares. O que, de acordo com o arguido, contrasta com a condição em que vive parte da população angolana mais desfavorecida. 

Angola Bornito de Sousa

Bornito de Sousa, vice-Presidente de Angola

As provas

Ouvido na quarta-feira (21.10) pelo Ministério Público da Comarca do Porto, Paulo de Morais assumiu que os factos eram verdadeiros, segundo deu conta o seu advogado, José Puig, especialista em liberdade de expressão. 

"Ele tem, aliás, provas que juntou ao processo - quer um jornal angolano quer uma revista norte-americana, quer um filme da visita da senhora [Naulila Graça], filha do senhor vice-Presidente a fazer a prova do vestido". 

Durante a audição, o acusado, um dos fundadores da organização não-governamental Transparência e Integridade (TIAC), apresentou as provas e manteve tudo o que disse nas redes sociais e no canal televisivo, contrariando a proposta do Ministério Público de suspensão provisória do processo e reconhecimento implítico de culpa.

Segundo José Puig, "o resto, declarou que era um comentário, uma opinião ao abrigo do direito de liberdade de expressão, legal e constitucionalmente consagrado entre nós e na Convenção Europeia dos Direitos do Homem".  

O advogado do ativista disse ainda que "a intenção não é difamar nem ofender ninguém, mas pronunciar sobre um assunto que considera de interesse público, tanto mais quanto os valores envolvidos são avultados. E estamos a falar de um povo que morre todos os dias na miséria, com falta de cuidados médicos e outras coisas assim". 

Assistir ao vídeo 04:02

Angola: Para quando uma estratégia de combate à corrupção?

José Puig, que assistiu Paulo de Morais em 17 vitórias em tribunal, adiantou à DW África que o inquérito poderá prosseguir com a acusação ou terminar com o arquivamento do processo-crime. 

A parte que se considerar prejudicada, quer a acusação quer os assistentes, poderá numa segunda fase requerer a abertura de instrução.  

Acusação exige desmentido

Igualmente contactado pela DW África, Paulo de Moura Marques, assistente de Bornito de Sousa e da filha, manifestou indisponibilidade para prestar mais informações sobre o processo. 

De acordo com a queixa apresentada no Ministério Público, os advogados de Bornito de Sousa e Naulila Graça pediram a Paulo de Morais que apresentasse nas redes sociais uma mensagem em que, de modo claro, se retratasse da informação que lançou e da imagem difamatória que terá pretendido dar dos visados. 

Os assistentes, que juntaram três testemunhas com moradas em Angola, pediram igualmente que, na referida mensagem, Paulo de Morais indicasse com a expressão "fake news" que utilizou informação falsa.

Assistir ao vídeo 02:03

Mesmo com João Lourenço, angolanos não acreditam no fim da corrupção no país

Leia mais