Ataques armados impedem regresso às aulas em distrito de Moçambique | NOTÍCIAS | DW | 09.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ataques armados impedem regresso às aulas em distrito de Moçambique

Em Moçambique, as escolas do distrito de Gondola, província de Manica, não vão reabrir na data prevista. O problema não é a pandemia da Covid-19, mas a série de ataques armados no centro do país.

Etelvina Ambasse, administradora do distrito de Gondola, em Manica, revelou à DW África que as escolas de Pinanganga, Muda-Serração e Chibuto 1 e 2 não poderão retomar as aulas presenciais em 27 de julho, por estarem localizadas na zona dos ataques armados. O Governo responsabiliza a Junta Militar de Mariano Nhongo pelos ataques.

O Conselho Executivo Provincial tomou conhecimento da situação e já desenhou estratégias para os alunos que serão afetados pela medida. Segundo o diretor provincial da Educação e Desenvolvimento Humano em Manica, Baptista Francisco, os alunos daquelas escolas continuarão a ter aulas à distância. "Até ao momento, estamos a priorizar a estratégia de resolução de fichas de exercícios. Os professores elaboram as fichas, os pais vão buscá-las à escola e as crianças resolvem, e de novo retornam à escola", disse Francisco.

Alunos saem prejudicados

Uma aluna da 10ª classe, que falou sob anonimato sobre a situação em Gondola, descreveu o cenário como "dramático", acrescentando que os alunos não são adequadamente informados. E deixa um apelo: "Gostaríamos que isso acabasse para também irmos à escola quando for a nossa vez, que é a segunda fase. Estamos a pedir ao Presidente Nyusi para resolver esse problema".

Para o psicólogo educacional Boaventura Bosco, a situação pode prejudicar as crianças, que necessariamente terão um aproveitamento pedagógico diferente os estudantes com acesso a aulas presenciais. "Este é um assunto que carece de diligências rápidas de quem de direito para a resolução deste problema que Moçambique está a encarar, para não retardar o desenvolvimento.

 RENAMO Guerillakämpfer in Gorongosa, Mosambik (DW/A. Sebastiao)

O Governo areibui a autoria dos ataques à Junta Militar liderada por Mariano Nhongo (à esqª)

Estas crianças vão crescer psicologicamente alteradas, vão crescer com a consciência que Moçambique esta em guerra", disse Bosco à DW África, acrescentando ser necessário encorajar as crianças a continuar a estudar, mas também  "os quadros da educação que estão nessas zonas de conflitos e apelar que eles tenham muita cautela porque a vida é que esta em jogo". Boaventura Bosco espera que o Governo providencia proteção adequada a alunos e quadros no ensino para que "os exercícios cheguem aos destinatários e os professores tenham de volta os exercícios alocados".

Problemas de infraestrutura

Para além dos ataques armados, as escolas também enfrentam problemas de infraestruturas, que poderão atrasar o reinício das aulas, segundo a governadora provincial, Francisca Tomás."Um dos maiores problemas é água nas escolas. Temos escolas que ainda não têm água, principalmente para a implementação da 2ª e 3ª fase”. Os preparativos vão mais avançados no que toca à primeira fase, em termos de salas de aulas, redimensionamento das turmas, professores e higiene, acrescentou Tomás, com a ressalva que faltam "ainda alguns materiais como baldes para o complemento da nossa higienização".

O secretário de Estado em Manica, Edson Macuácua, indicou que a retoma das atividades letivas presenciais só poderá ocorrer naqueles estabelecimentos onde forem observadas rigorosamente as medidas de prevenção à Covid-19. Macuácua recomendou aos gestores de instituições que aprimorem as condições dos estabelecimentos do setor com vista a assegurar o reinício das aulas presenciais em segurança. O secretário pediu também a criação, com urgência, de brigadas em todos os distritos para a monitorização das condições de higiene e saneamento das escolas arroladas para reiniciarem com as aulas, à luz do decreto presidencial sobre o estado de emergência.

 

Leia mais