Ataque contra autocarro faz cinco feridos no centro de Moçambique | Moçambique | DW | 07.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ataque contra autocarro faz cinco feridos no centro de Moçambique

Cinco pessoas ficaram feridas terça-feira quando o autocarro em que viajavam foi atingido por uma rajada de balas, em Muxungué-Inchope, quando seguia numa escolta militar obrigatória para civis no centro de Moçambique.

Inchope (foto de arquivo)

Inchope (foto de arquivo)

A Polícia da República de Moçambique (PRM) em Sofala, que confirmou o novo ataque ocorrido cerca das 08:00 de terça-feira (06.10), voltou a atribuir a violência à autoproclamada Junta Militar da RENAMO, um grupo dissidente liderado pelo general da ex-guerrilha Mariano Nhongo.

O incidente deu-se no troço Muxungué-Inchope, junto à principal estrada de Moçambique. A viatura e os passageiros tinham pernoitado em Muxungué (Sofala) e foram emboscados 30 quilómetros a norte da vila, depois de integrarem a coluna com escolta obrigatória para civis.

"Acabávamos de integrar a primeira coluna do dia e só ouvimos tiros e depois vidros de janelas a rebentarem e os passageiros agitados" contou à Lusa Merciano Almeida, um sobrevivente que viajava no autocarro. Depois do ataque, prosseguiu, o motorista percorreu a distância de 189 quilómetros para socorrer as vítimas no Hospital Provincial de Chimoio (HPC). 

Mosambik Chimoio, Manica Provinz - Krankenhaus in Chimoio

Hospital de Chimoio (foto de arquivo)

O veículo que fazia a ligação entre Maputo (sul) e Tete (centro) partiu da capital do país na segunda-feira e ficou com várias perfurações de balas nas partes lateral e traseira.

Em declarações hoje à Lusa, Juvenal Chitovele, médico no serviço de urgências no HPC, disse que a única vítima que deu entrada com um quadro clínico grave, alvejado numa coxa, continua estável, estando ainda em observação. Os restantes quatro pacientes tiveram alta médica.

Reforçadas medidas de segurança

A Polícia de Sofala assegurou que foram reforçadas medidas de segurança nos troços alvo de ataques a viaturas civis na estrada nacional número um (N1) nos distritos das províncias de Sofala e Manica.

"Ontem, ao longo da N1 no troço Muxungué-Inchope registámos um ataque protagonizado pelos 'bandidos' pertencentes à autoproclamada Junta Militar da RENAMO;" disse Daniel Macuacua, porta-voz do Comando da Polícia de Sofala, adiantando que foi restabelecida a circulação de viaturas e bens na via.

O responsável acrescentou que os atiradores estavam ao longo da via e empunhavam armas do tipo AK-47 quando dispararam contra os veículos.

Assistir ao vídeo 01:56

Moçambique: População de Vunduzi aliviada com saída de "Junta Militar" da RENAMO

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados