Ataque armado no centro de Moçambique faz quatro mortos | NOTÍCIAS | DW | 21.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ataque armado no centro de Moçambique faz quatro mortos

Primeiro ataque armado no centro de Moçambique, desde que começou o segundo mandato de Filipe Nyusi, termina com mortes e destruição na aldeia de Macorococho. A polícia promete pronunciar-se sobre o caso oportunamente.

Fahrzeug in Zentral-Mosambik angegriffen (DW/Bernardo Jequete)

Veículo atacado no centro de Moçambique em novembro de 2019

No início da noite desta segunda-feira (20.01), homens armados não identificados atacaram o centro de saúde de Macorococho, na província de Sofala, em Moçambique. Os atacantes dispararam contra o centro e, depois, atearam fogo ao edifício, deixando quatro pessoas mortas.

Segundo relatos do morador António Chiranga, eles "chegaram mesmo no hospital e começaram a disparar. Lá queimaram o hospital e a casa do senhor chefe que vive lá, queimaram e começaram a atacar as pessoas, no hospital, começaram a atacar outras pessoas", afirmou António.

O morador fugiu para as matas durante o ataque e, esta terça-feira (21.01), teve de procurar refúgio na vila-sede do distrito, Nhamatanda. Segundo fontes locais, os atacantes roubaram vários medicamentos do centro de saúde. Os homens atearam ainda fogo a outras casas, incluindo a do chefe da aldeia.

Primeiro ataque na era Nyusi

Mosambik Präsidentschaftswahl 2019 | Filipe Nyusi (AP Photo/F. Momade)

Foto da tomada de posse do Presidente Filipe Nyusi

O ataque é o primeiro na região centro do país desde a tomada de posse do Presidente Filipe Nyusi, a 15 de janeiro, e segue-se a uma série de incêndios ocorridos na mesma zona, em sedes do partido no poder, a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), no final de dezembro.

"Começaram por sedes da FRELIMO e depois ficou-se durante quatro semanas e depois começou isto", afirmou Chiranga.

A polícia promete pronunciar-se sobre o caso oportunamente. Até à tarde desta terça-feira (21.01), a região estava inacessível devido às chuvas fortes que se abateram sobre a província. 

Ligações com a RENAMO

Entretanto, na segunda-feira (20.01), dois antigos deputados do maior partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), foram ouvidos pela Procuradoria Provincial de Sofala.

As autoridades suspeitam que Sandura Ambrósio e Manuel Bissopo estejam ligados à autoproclamada "Junta Militar" da RENAMO, um grupo dissidente do partido que é apontado como autor dos ataques no centro de Moçambique. Até agora, as autoridades não divulgaram o que foi falado nas audições.

Assistir ao vídeo 01:37

Moçambique: Populares abandonam tudo com medo de novas ataques no centro

Leia mais