Assembleia da República de Moçambique empossada sob boicote da RENAMO | Moçambique | DW | 12.01.2015

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Assembleia da República de Moçambique empossada sob boicote da RENAMO

Em Moçambique, o chefe de Estado, Armando Guebuza, investiu esta segunda-feira (12.01) o novo Parlamento, na sua oitava legislatura, num acto que foi boicotado pelo maior partido da oposição, a RENAMO.

Logo após a investidura, o novo Parlamento reuniu-se na sua primeira sessão e reconduziu Verónica Macamo no cargo de presidente daquele órgão, mas apenas com os votos a favor do partido no poder, a Frente de Libertação de Mocambique (FRELIMO).

Os representantes da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) eleitos a 15 de outubro último para o Parlamento não tomaram posse. O boicote à cerimónia tinha sido recomendado pela comissão política do maior partido da oposição, em protesto contra os resultados das eleições que dão vitória à FRELIMO.

Já na semana passada (07.01), a RENAMO tinha boicotado a investidura dos seus representantes nas assembleias provinciais, tendo inviabilizado a realização dos trabalhos daqueles órgãos em quatro das dez províncias do país, por falta de quórum.

Armando Guebuza

Armando Guebuza, Presidente cessante de Moçambique

Os representantes da RENAMO eleitos para o Parlamento têm um mês para tomar posse, sob pena de perderem os respetivos mandatos.

A cerimónia de investidura foi dirigida pelo Presidente Armando Guebuza que a dado passo da sua intervenção deixou claro que com a tomada de posse "se inicia um novo ciclo político concorrente para o contínuo aprofundamento dos alicerces da democracia multipartidária nesta pérola do Índico".

Guebuza apelou ainda à unidade nacional considerando-a importante para a consolidação da paz no país.

Verónica Macamo reconduzida no cargo

O Parlamento realizou a sua primeira sessão que culminou com a recondução de Verónica Macamo no cargo de presidente daquele órgão. A eleição teve apenas os votos a favor da FRELIMO, uma vez que a RENAMO não participou na sessão e todos os deputados do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), o outro partido da oposição, votaram em branco.

Na sua primeira declaração, Verónica Macamo prometeu lealdade no exercício das suas funções: "Procurarei com toda a minha força manter a isenção, a objetividade e o bom senso na coordenação dos trabalhos da Casa do Povo".

Mosambik Verónica Macamo

Verónica Macamo foi reconduzida no cargo de presidente do Parlamento moçambicano

O Parlamento é constituído por 144 deputados da FRELIMO, 89 da RENAMO e 17 do MDM. A oposição tem mais quarenta e sete deputados em relação à anterior legislatura.

Entre os deputados que tomaram posse figuram vários dirigentes governamentais que tinham sido exonerados dos seus cargos na última sexta-feira (09.01) porque as suas funções eram incompatíveis com a figura de parlamentar. Trata-se do primeiro-ministro, Alberto Vaquina, de seis ministros e três governadores locais.

José de Sousa, do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), espera que o novo Parlamento produza muito mais leis que a anterior legislatura e reagiu ao boicote da RENAMO. "O desejável era de facto que toda a Assembleia tomasse posse para produzirmos leis por forma a normalizarmos a nossa sociedade sob ponto de vista moral e não só", afirmou.

"RENAMO deve conformar-se com os resultados"

A RENAMO tem vindo a ameaçar inviabilizar a governação da FRELIMO e o seu líder, Afonso Dlakhama, anunciou no último sábado (10.01) durante um concorrido comício popular na cidade da Beira que o seu partido iria governar nas províncias onde obteve o maior numero dos votos nas recentes eleições gerais.

Para João Jasse, do Partido Trabalhista, a RENAMO deve conformar-se com os resultados eleitorais anunciados. "A RENAMO deveria obedecer ao primado da lei", disse. Além disso, acrescentou, "foi por causa da RENAMO que se aletrou a Lei Eleitoral. O que a RENAMO deve fazer é assumir e lutar para que no próximo pleito eleitoral venha adicionar mais deputados".

Ouvir o áudio 03:30

Assembleia da República de Moçambique empossada sob boicote da RENAMO

O porta-voz da FRELIMO, Damião José, afirmou que os pronunciamentos de Afonso Dlakhama são próprios de pessoas que estão desesperadas, que não respeitam o povo, a constituição da república e demais legislação. Apelou ao bom senso por parte da RENAMO e do seu líder.

"A nossa Constituição da República é clara. Não há espaço para a divisão do nosso país. É de lamentar quando depois de cada período eleitoral os moçambicanos têm que viver num ambiente de instabilidade por causa de um grupo de moçambicanos que é a minoria", frisou.

Entre os deputados que tomaram posse figuram vários dirigentes governamentais que tinham sido exonerados dos seus cargos na última sexta-feira (09.01) porque as suas funções eram incompatíveis com a figura de parlamentar. Trata-se do primeiro-ministro, Alberto Vaquina, de seis ministros e três governadores locais.

Leia mais