Assassinato de coronel reafirma fama de instabilidade da Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 19.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Assassinato de coronel reafirma fama de instabilidade da Guiné-Bissau

Pouco depois do encerramento das urnas na Guiné-Bissau, o coronel Samba Djaló, ex-chefe dos serviços secretos militares, foi morto a tiro. Autoridades guineenses garantem que o crime não afectará o processo eleitoral.

Esposa e parentes lamentam a morte do coronel Samba Djaló, ex-chefe dos serviços secretos militares, em Bissau

Esposa e parentes lamentam a morte do coronel Samba Djaló, ex-chefe dos serviços secretos militares, em Bissau

Votação decorreu tranquila, mas o domingo terminou com um assassinato na capital guineense

Votação decorreu tranquila, mas o domingo terminou com um assassinato na capital guineense

Depois de um domingo tranquilo, com os eleitores guineenses a votarem de uma forma calma e ordeira, o assassinato do ex-chefe da secreta militar, o coronel Samba Djaló, após o fechamento das urnas, viria ensombrar as eleições presidenciais. E faria jus à fama de instabilidade da Guiné-Bissau, embora as autoridades o tentem relativizar.

Nesta segunda-feira (19.03), após um encontro com o Presidente da República interino, Raimundo Pereira, e com o Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, General António Indjai, o presidente da Comissão Eleitoral da Guiné-Bissau, Desejado Lima da Costa, afirmou que "o acontecimento da noite passada nada tem a ver com o processo eleitoral e a intranquilidade vivida foi ultrapassada".

O coronel Samba Djaló foi director adjunto dos serviços secretos militares até abril de 2010, altura em que foi detido por suspeita de envolvimento no assassinato do antigo chefe do Estado-Maior, Tagmé Na Waié, em 2009.

Horas depois deste atentado bombista, o então presidente, Nino Vieira, foi morto por um grupo de militares na sua residência oficial. Ambos os assassinatos, assim como o de Baciro Dabó, ex-candidato presidencial em 2009, continuam por esclarecer. O irmão de Baciro Dabó, Iáiá Dabó, acusava Samba Djaló da morte do irmão.

Assassinato não afecta sufrágio

600 mil eleitores foram chamados às urnas no domingo, 18.03

600 mil eleitores foram chamados às urnas no domingo, 18.03

De acordo com o major Dabana Walna, chefe do gabinete do general António Indjai, e porta-voz do comando conjunto das Forças de Defesa e Segurança, criado para garantir a segurança nas eleições presidenciais, a morte do coronel Samba Djaló não afectará o processo eleitoral.

"Uma coisa não tem nada ver com outra. O que aconteceu ontem foi um incidente grave que temos que lamentar, pois trata-se de uma vida humana que se perdeu. Mas esse facto em si não tem nada a ver com a segurança do processo eleitoral que correu de forma correcta como se testemunhou ontem", declarou.

Desejado Lima da Costa fez ainda questão de sublinhar que as Forças Armadas nada têm a ver com este assassinato e que elas "garantem a submissão ao poder político de acordo com o expresso na Constituição da República e que observarão o decurso do processo na normalidade, com a aceitação dos resultados anunciados pela Comissão Nacional de Eleições".

Contagem dos votos

O presidente da CNE disse ainda que os votos continuam a ser contados, agora com segurança reforçada na comissão, e que os resultados provisórios - cujo anúncio estava previsto para dia 22.03 - deverão ser conhecidos no dia 24 ou 25. Sabe-se porém que, na contagem de votos, Carlos Gomes Júnior, o candidato do partido no Governo, o PAIGC, lidera.

Segunda-feira (19.03) foi dia de balanço para a missão de observadores da CPLP, a Comunidade de Países de Língua Portuguesa, constituída por 23 observadores oriundos dos oito países onde se fala o português. Armindo Maurício, que chefiou a missão, sublinhou que as eleições presidenciais antecipadas na Guiné-Bissau foram "livres e democráticas"

Autora: Helena Ferro de Gouveia (Bissau)
Edição: Cris Vieira / Renate Krieger

Resultados provisórios das presidenciais deverão ser conhecidos no dia 24 ou 25 deste mês

Resultados provisórios das presidenciais deverão ser conhecidos no dia 24 ou 25 deste mês

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados